Tag Archives: sabedoria

Do what you want to do. / Faz aquilo que desejas.

“Dr. John Kitchin quit a medical career to pursue his passion: skating along the boardwalk of San Diego’s Pacific Beach.” Why? Because a 93 years old man told him: Do what you want to do.
I do not use (or like) to share personal experiences in public. However, this time I will open an exception. This was more or less the same thing my best friend told me before she died, too young and full of wish to live. And, the same way it happened to John Kitchin, this sentence ended up changing my life – although (apparently) in a less radical way.

“O neurologista John Kitchin desiste da carreira como médico para seguir a sua paixão: patinar no passeio ao longo da praia Pacific Beach em S. Diego.” Por que razão? Porque um homem de 93 anos de idade lhe disse: Faz aquilo que desejas.
Não costumo (nem gosto) de partilhar experiências pessoais em público. Mas, neste caso, irei abrir uma excepção. Foi mais ou menos esta a frase que me disse a minha melhor amiga antes de morrer, demasiado jovem e cheia de vontade de viver. E, tal como aconteceu a John Kitchin, esta frase acabou por mudar a minha vida – embora de uma forma (aparentemente) menos radical.

Não se enganem. Se algum de vocês pensa que é sábio segundo os padrões desta era, deve tornar-se “louco” para que se torne sábio.
1 Coríntios 3:18 (NVI-PT)

Do not deceive yourselves. If any of you think you are wise by the standards of this age, you should become “fools” so that you may become wise.
1 Corinthians 3:18 (NIV)

God I look to You.


You’re where my help comes from;
Give me wisdom, You know just what to do.

I lift up my eyes to the mountains—where does my help come from?
My help comes from the Lord, the Maker of heaven and earth.
Psalm 121: 1-2 (NIV)

Se algum de vós tem falta de sabedoria, que a peça a Deus, que a todos dá generosamente e sem recriminações, e ser-lhe-á dada. Mas peça-a com fé e sem hesitar, porque aquele que hesita assemelha-se às ondas do mar sacudidas e agitadas pelo vento.
Tiago 1: 5-6

A diferença entre gregos e portugueses.

A figura alegórica ou personificação nacional é a antropomorfização de uma nação visando mostrar, em síntese, as suas características mais significativas.

A figura identificativa da nação grega é uma senhora armada da cabeça aos pés, Atena de seu nome, com coragem suficiente para enfrentar gigantes.

A personificação do povo português é um apascaçado indivíduo que Bordalo nomeou Zé Povinho,”personagem de boca aberta (…), resignado perante a corrupção e a injustiça, ajoelhado pela carga dos impostos e ignorante das grandes questões do país”.

Zona Euro: Cimeira decide redução da dívida grega e aumento do fundo de resgate
2011-10-27, Jornal Digital

Portugal deve estar pronto para tomar medidas adicionais
Luís Rego em Bruxelas e Eudora Ribeiro, 26/10/11, Económico

Os governantes e a sabedoria.

1Ouvi, pois, ó reis, e entendei;

aprendei, ó vós que governais em toda a terra!

2Prestai ouvidos, vós que reinais sobre as multidões

e vos gloriais do número dos vossos povos!

3Porque do Senhor recebestes o poder,

e a soberania vem do Altíssimo,

que julgará as vossas obras

e examinará os vossos pensamen tos.

4Pois, sendo ministros do reino, não governastes com rectidão

nem respeitastes a Lei,

nem seguistes a vontade de Deus.

5De modo terrível e inesperado,

Ele vos aparecerá,

pois um julgamento rigoroso será feito aos grandes.

6O pequeno, com efeito, encontrará misericórdia,

mas os poderosos serão examinados com rigor.

7O Senhor de todos não temerá ninguém

nem se intimidará com a grandeza,

pois Ele criou o pequeno e o grande

e de todos cuida igualmente.

8Mas, para os poderosos, o julgamento será severo.

A responsabilidade dos governantes.

Jesus Cristo - tesouro de sabedoria

(Sabedoria 6:1-8)

Ouvi, pois, ó reis, e entendei; aprendei, ó vós que governais em toda a terra!
Prestai ouvidos, vós que reinais sobre as multidões e vos gloriais do número dos vossos povos!
Porque do Senhor recebestes o poder, e a soberania vem do Altíssimo, que julgará as vossas obras e examinará os vossos pensamentos.
Pois, sendo ministros do reino, não governastes com rectidão nem respeitastes a Lei, nem seguistes a vontade de Deus.
De modo terrível e inesperado, Ele vos aparecerá, pois um julgamento rigoroso será feito aos grandes.
O pequeno, com efeito, encontrará misericórdia, mas os poderosos serão examinados com rigor.
O Senhor de todos não temerá ninguém nem se intimidará com a grandeza, pois Ele criou o pequeno e o grande e de todos cuida igualmente.
Mas, para os poderosos, o julgamento será severo.