Tag Archives: público

Um ‘plano de riscos’ para o ordenamento do território!

Plano de riscos - modelo Mafalda by QuinoA Reserva Ecológica Nacional irá ser extinta, mas Paulo Correia, o director-geral do Território, Paulo Correia., sublinha que a protecção está assegurada, nomeadamente através da sua integração num Plano Sectorial de Riscos, cuja primeira versão terá de ser apresentada ao mês que vem. «Estamos a trabalhar num ritmo bastante intenso, já que este é um documento complexo»… (Plano Sectorial de Riscos apresentado em Junho, 08 de Maio de 2013, no Jornal Arquitecturas – o jornal de negócios da cidade[…])

O despacho conjunto, assinado por Filipe Lobo d’Ávila e Pedro Afonso de Paulo, destina-se a «definir as orientações estratégicas nacionais para a prevenção de riscos naturais, tecnológicos e mistos, bem como as medidas e dispositivos de minimização dos seus efeitos».
… o Secretário de Estado do Ambiente e do Ordenamento do Território, referiu que se pretende, com este despacho, um plano setorial materializado «num documento estratégico em matéria de inventariação de riscos e na definição de orientações para outros instrumentos de gestão territorial, particularmente para os planos municipais de ordenamento do território, de forma a que todo e qualquer processo de tomada de decisão seja o mais informado a este nível». (Governo vai elaborar plano “setorial” de prevenção e redução de riscos, 2012-11-20, no sítio do governo em Mantenha-se “Atualizado”, sublinhados do transcritor)

Traduzindo a “conversa da treta” (para os não-“especialistas”): Prepara-se a arbitrariedade total em matéria de ordenamento do território, a aprovação “sem espinhas” de todos os “grandes projectos” patrocinados pela banca. Se, mesmo assim, ainda não percebeu veja aqui alguns exemplos.

Nota: Depois não diga que não foi devidamente “atualizado” e avisado.

Leitura complementar:  Crony capitalism ou Capitalismo clientelista.

Sobre a importância de estar presente na manifestação de hoje, 26 de Janeiro.

Ainda que o momento (o timing, como é fino dizer agora) seja (e é!) péssimo e a Fenprof esteja (que está!) a politizar a manifestação (o que faz com que muitos imediatamente desejem afastar-se) é muito importante estar hoje presente no Marquês de Pombal às 3 horas da tarde para a manifestação em defesa da Escola Pública. Que quem me lê fique a saber que a luta pela Escola Pública não é dos professores, mas de todos aqueles cujos filhos se verão brevemente impossibiltados de continuar a estudar por incapacidade financeira. (veja também este artigo anterior)

Manifestação de 26 de Janeiro de 2013 - pela Escola Pública

… Don’t miss this: Engaging fellowship in the Spirit is the primary object of every measure we take against human government. How hard is it to realize a fundamental element in government’s campaign to rule all things is isolating each of us from the other? In isolation we are powerless to resist forced conglomeration. By taking a competing path to unity, we form a ‘de facto’ alternative government. The primary nature of our rebellion is counteracting that shift of power from the local to the central authority.
In political theory, it is widely recognized the definition of government is a monopoly of violent force. Every government is merely a conspiracy of folks seizing power over others, whether by actual violence or only threatening it. While a strong civil culture helps, at the bottom of every ruling power is the threat of force. When any entity, external or internal, threatens that power by exercising a competing violent force, that entity becomes a de facto government of sorts. It need not seek immediately the total control exercised by the official government, only a measure of control over certain elements of the circumstances. It’s competing for control, nothing more. … (transcrito daqui, subtítulo Weapons versus Weapons)*

*Se alguém precisar do texto acima traduzido basta solicitar na caixa de comentários e eu o traduzirei.

O resgate financeiro à banca explicado às crianças

Sem tempo para grandes escritas fica aqui explicado às criancinhas com música, digo, com recurso a meios audiovisuais, o sistema de resgate financeiro aos bancos em Portugal, Espanha, Chipre, Itália e pela Europa em geral.

Ó ÁLVARO: EPA CA PV D PPP*

Ao Álvaro ex-blogger só lhe fica bem ter feito anteontem uma jantarada com uns tipos dos blogues. Um simples gesto de marketing político, tão comum lá pelas bandas de onde ele vem, que lhe permite avaliar a onda dos tail shakers e dos opinion takers com pretensões a opinion makers.**

Lamentável é que enquanto o Álvaro ex-blogger se entretém em pequenas festas privadas vai permitindo ao Álvaro ministro da Economia e do Emprego que continue a adiar o terminar dessa grande festa socialista com dinheiro público chamada Pê Pê Pês.***

Digo-o com o profundo alívio permitido pela minha mais que absoluta irrelevância na matéria.

*Pondo por extenso os acrónimos e siglas do título: É Preciso Acabar Com A Pouca Vergonha Das Parcerias Público-Privadas.
**O Álvaro teria mesmo atingido a perfeição no seu mercantil gesto tivesse-se ele lembrado de convidar para a partilha das vitualhas o famosíssimo blogador zedeportugal: ficava bem visto, evitando esta maldosa nota de rodapé, sem se arriscar  a ter presente esse futurível convidado, o qual não passa de uma personagem de ficção arcaica que segue rigidamente a regra fundamental: never mix business with pleasure… if pleasure involves being with a man in power, a bunch of other useful idiots guests (besides you) and an occasion to drink alcohol.
***Hoje mesmo ao almoço, o meu, pago do meu bolso (porque não há mesmo almoços, nem jantares, de graça), num local muito aprazível e muito em conta, estive a ouvir, sem sequer procurar fazê-lo, um grupo de convivas da sobredita festa a prepararem mais um saque a uma dependência desse ministério.

Brevíssima lição de Economia política para totós.

Duas notícias em destaque hoje, na imprensa dita económica:

A dívida portuguesa inicia mais uma sessão sob forte pressão dos mercados. As taxas estão a subir em todos os prazos e já ultrapassaram os 10,35% na maturidade a cinco anos.

(Juros da dívida voltam a abrir em recorde, 14 Abril 2011, Edgar Caetano, Negócios)

O ministro das Finanças da Alemanha, Wolfgang Schaeuble, disse em entrevista ao jornal Die Welt que Portugal poderá receber assistência financeira por parte dos parceiros europeus. Mas essa ajuda irá implicar “condições rígidas”.

Schaeuble: Ajuda a Portugal só mediante “condições rígidas”, 14 Abril 2011, Edgar Caetano, Negócios)

Qual a mensagem subjacente a ambas as notícas? É simples:

– Após as análises prévias, o pessoal do FEEF/FMI percebeu que a situação das vossas contas públicas está pior do que o pior dos cenários antecipados e que vocês precisam, não dos 75/80 mil milhões que se pensava, mas de uns 120/130 mil milhões só para vos manter à tona e a respirar – uma dívida que vocês não vão conseguir pagar com o vosso rendimento actual. São precisas mais garantias, que é como quem diz: o que têm vocês mais para vender/privatizar ao desbarato?

Talvez pensem que isto é exagero? Pois, pensem outra vez.

Um paradoxal castiMasoquismo - cartoongo para a esquerda marxista que durante tanto tempo tudo fez para manter a pseudo-esquerda rosada com medo do papão do neo-liberalismo da pseudo-direita alaranjada, a qual nunca teria deixado chegar tão longe em matéria de privatizações.

Tranquibérnias finais dos rosilhos.

Governo assina contrato de investimento de 10,9 milhões de euros com a J.P. Sá Couto

21 Março 2011 | 11:33
Jornal  de Negócios

O primo Sócrates visto da velha Albion.

Socrates needs to get philosophical

By Open Europe blog team
On Monday, March 21, 2011

Julgar os outros por si mesmos.

Usar criancas para propaganda.A criatura que actualmente supõe representar a Educação em Portugal, veio hoje afirmar aos microfones da TSF que “é indigno usar crianças” nas manifestações de protesto contra a sua unilateral quebra dos contratos de financiamento de ensino público em escolas privadas.

Não é por acaso que a criatura utiliza a palavra ‘usar’. Quem tem por hábito usar as crianças (e os velhos, e os desempregados, e os fragilizados em geral) não consegue perceber quando “alunos, professores, pais, direcções escolares, educadores não docentes, antigos alunos se juntam para gritarem e manifestarem o quanto gostam da sua escola“.

Detectado o cancro da nação e as suas múltiplas metásteses.

Cancro com metástases

Segundo a base de dados Pordata,  a divida bruta das administrações públicas cresce a um ritmo quatro vezes superior ao da receita fiscal. Porém, a despesas pública na educação e na saúde (que são o essencial do «estado social») é sensivelmente inferior a metade da receita fiscal.

Nisso reside o cerne da questão da absoluta necessidade do Orçamento do Estado. … o Orçamento é uma ferramenta indispensável  – como se fosse um aval do Povo a um novo empréstimo – para aumentar o calote português.

Uma visita ao portal base-contratos online abre-nos os olhos para um espetáculo dantesco de administração danosa. Desde os ministérios às câmaras municipais, passando pelos institutos públicos  são milhões gastos em despesas sumptuárias que poderiam evitar-se, a benefício da saúde financeira do país.

O que se vê nesta base de dados é uma complexa teia de interesses, em que se jogam milhões e milhões de euros em aquisições de bens e serviços por valores principescos, muito superiores aos correntes no mercado, porque a generalidade destas contratações foram operadas por ajuste direto.

Todos temos o direito de conhecer os documentos contratuais e os que se reportam aos seus resultados.  É altura de o exercermos.
Para além disso, todos temos o direito de denunciar ao Ministério Público todos os atos que indiciem administração danosa, nos termos do disposto no artº 235º do Código Penal, …
Mais do que as pessoas, é altura de as empresas lesadas pela perturbação da concorrência recorrerem aos tribunais para exigir a punição criminal de quem, por via de esquemas de favorecimento, beneficia os seus concorrentes, adquirindo-lhes bens ou serviços por preços que ofendem todas as regras da gestão racional.

(O Orçamento e as clientelas partidárias, 17-Out-2010, Miguel Reis, In Verbis)

Portugal, em estado de máfia choque

.
1ª página, Sol, 12 Fev 2010
O problema, camaradas, foi que, apesar de todo o nosso esforço de reforma educativa socializante, o povo continua a saber ler.
.
A esta hora (18:08), os artigos disponíveis on-line da edição de hoje (12-Fev-2010) do semanário Sol contendo novas informações relevantes relativas ao caso Face Oculta são apenas estes:

.

.

.

Logo que haja mais colocarei aqui os respectivos linques – para memória futura. (Melhor ainda, fica aqui o linque para o dossiê do jornal Sol sobre o caso Face Oculta – actualização em 13/Fev/2010 às 17:53)

.