Tag Archives: partidocracia

Aprovada a adopção de crianças por pares de homossexuais – o estupro da democracia.

– Num país com mais de 1 milhão de desempregados e mais de 2 milhões pessoas a viverem em estado de extrema pobreza;
– Num país onde as desigualdades sociais e económicas continuam a crescer sem cessar;
– Num país em que grassa a precaridade laboral e campeia a corrupção;
– Num país… (esta lista podia alongar-se muito)

uma das primeiras leis que os deputados da Assembleia da República – acabados de ser eleitos para uma nova legislatura – aprovam, é uma lei que permite a adopção de crianças por pares de homossexuais.

E, chamam a isso uma “vitória da democracia”.

democracy - 2 wolves 1 lamb votingMas não é. É um abuso da democracia.
A democracia é a expressão da vontade da maioria e a maioria, a esmagadora maioria dos portugueses, não mandatou os deputados para aprovarem isto.

Esta é uma lei ‘contra naturam’. Por isso, e sem ser necessário qualquer julgamento de carácter moral, pode afirmar-se que esta é uma lei criminosa (esta é mais uma lei criminosa) contra aqueles membros da sociedade que não podem defender-se, as crianças.

Nota 1: Se quisesse fazer algum julgamento de carácter moral diria apenas que só os cobardes é que maltratam (e matam) os indefesos.

Nota 2: Se não percebem por que razão afirmo que uma acção ‘contra naturam’ é uma acção criminosa, pensem que as mesmas pessoas que fizeram e aprovaram esta lei se afirmam ecologistas e consideram criminosa qualquer acção contra a Natureza. E, são estas mesmas pessoas que fizeram e aprovaram a lei do aborto que consideram criminosas as touradas, as experiências laboratoriais em ratos e a pena de morte para os homicídas – só para dar alguns exemplos da estúpida incoerência.

Advertisements

Conversas de burros (e outras a propósito das legislativas 2015).

burros com legenda 1

Caro concidadão,
Há 40 anos que PSD e PS se alternam no governo de Portugal.
O bipartidarismo é uma doença da democracia que favorece a forma de clientelismo político própria das democracias partidárias, o clientelismo partidário.
Até este momento, só os “clientes” de cada um destes partidos (militantes, seus familiares, amigos e beneficiários diversos) têm garantido a cada um deles entre 25 e 30 por cento dos votos expressos em (quase) todas a eleições legislativas.
Portanto, se você não faz parte desta clientela partidária, desta vez experimente votar num dos outros partidos, através das listas concorrentes às legislativas 2015 (especialmente num daqueles que nunca conseguiram eleger qualquer representante para a Assembleia da República).
Há para todos os gostos, da direita à esquerda, passando pelos corporativistas, pelos assim-assim, e pelos que se dizem mais ao centro que os do centro. Ora veja:
(Segue-se uma isentíssima lista por ordem alfabética com links para os sítios respectivos na internet.)

AGIR – PTP e MAS
Bloco de Esquerda (B.E.)
Coligação Democrática Unitária (CDU) – PCP, PEV
Juntos pelo Povo (JPP)
LIVRE/Tempo de Avançar (L/TDA); apoiado pelo POUS
Nós, Cidadãos! (NC)
Partido Cidadania e Democracia Cristã (PPV/CDC)
Partido Comunista dos Trabalhadores Portugueses (PCTP/MRPP)
Partido da Terra (MPT)
Partido Democrático Republicano (PDR)
Partido Nacional Renovador (PNR)
Partido Popular Monárquico (PPM)
Partido Unido dos Reformados e Pensionistas (PURP)
PESSOAS-ANIMAIS-NATUREZA (PAN)

Mais informação sobre as Legislativas 2015 (este blogue é ou não é um verdadeiro serviço público?):
Saiba como votar nas próximas eleições legislativas e, se quiser, informe-se mais detalhadamente na página da Comissão Nacional de Eleições. Até pode ver, antecipadamente, o boletim de voto que a sua Mesa de voto lhe vai dar no próximo dia 4 de Outubro para poder votar no seu Círculo Eleitoral.

Costa e Sócrates são farinha do mesmo saco. / Costa* e Sócrates** are starred with the same brush.

Depois não digam que não foram avisados! You have been warned!

Costa e Socrates: assalto ao poderLeitura complementar recomendada /Recommended complementary reading

*Portuguese Socialist Party prime ministerial primary, 2014

**“Por um país mais pobre” (For a poorer country)

O governo de salvação… do ‘pão para a boca’ dos privilegiados.

Não me apetecia nada escrever sobre este assunto, mas fui-me enojando progressivamente nas 2 últimas semanas até à náusea completa. Em 3 fases:

1.ª Foi iniciada a campanha de limpeza da imagem de algumas das mais sinistras figuras que jamais passaram pelos governos em Portugal, as quais são responsáveis pela destruição económica e social do país. Estas figuras deveriam estar a responder nas barras dos tribunais pelo que fizeram aos portugueses, tal como aconteceu aos governantes islandeses. Mas, por cá não só ficam impunes como ainda as instituições políticas lhes abrem as portas para novas oportunidades de voltarem a fazer o mesmo.

Vou dizer devagarinho, para todos poderem perceber: Quem_ criou_ o_ problema_ não_ pode_ fazer_ parte_ da_ solução.

2.ª Andam por aí umas forças políticas disfarçadas de movimentos de cidadania a pedir ao senhor Silva a constituição de um governo de iniciativa presidencial. Ora, tais forças sabem muito bem (ou tinham obrigação de saber) que após Ramalho Eanes a Assembleia Legislativa, furiosa com a iniciativa presidencial, retirou à presidência da República o poder de constituir governos sem o seu aval. O problema é que, tal como muito bem dizia Richard Buckminster Fuller, os políticos estão sempre a manobrar de forma realística para as próximas eleições mas estão ultrapassados no que respeita à resolução de problemas fundamentais. O problema é o tipo de gente que controla actualmente os aparelhos partidários e, através deles, a legislatura e o Estado.

Vou dizer devagarinho, para todos poderem perceber: Quem_ faz_parte_do_ problema_ não_ pode_ fazer_ parte_ da_ solução.

3.ª Contudo, nojento até ao vómito é vir um grande amigo dos “mais pobres”, o qual – consta por aí – terá proventos (pagos pelo erário público) de 500 mil euros mensais, afirmar publicamente que os portugueses (alguns já passando fome) precisam que o partido dele faça parte de um “governo de salvação nacional” “como de pão para a boca”. Tal como muito bem recordou um amigo meu há apenas 2 dias atrás, as alianças entre liberais e socialistas que pretendem conduzir reformas políticas podem acabar num assalto ao palácio de Inverno.

Vou dizer devagarinho, para toda a gente poder perceber: Quem_está_na_raiz_do_problema_não_pode_fazer_parte_da_solução.

Animal Farm Card by Sharon

O maldito está de volta a Portugal.

Infelizmente para todos os que não têm parte com ele. Não terá sido sequer por acaso que escolheu a quinta-feira santa ou de endoenças, que simbolicamente configura o indulto do criminoso (Barrabás) e a condenação do inocente (Jesus), dando início ao negro período que a todos parecia ser o da vitória do mal (Satanás). Parecia, mas não foi, pois o mal jamais poderá vencer e Deus o provou mais uma vez com a ressurreição de Jesus, o seu filho muito amado, ao terceiro dia. Nisto radica a esperança indomável dos cristãos, porque Deus fez-lhes assim perceber que a morte do corpo não é o fim. O fim absoluto do Homem – tal como o dos anjos – é a separação do seu espírito do Espírito de Deus, e é isto mesmo que Jesus diz na seguinte passagem: Declaro solenemente que qualquer pecado dos homens pode ser perdoado, incluindo a blasfémia. Mas a ofensa contra o Espírito Santo, essa não pode nunca ser perdoada. É um pecado que fica para sempre. (Marcos 3: 28-29)

E, já agora, noutro registo, deixem-me acrescentar: – Um povo que permite ao canal público de televisão, pago com o seu dinheiro de taxas e impostos, contratar o tratante que quase levou o país à ruína, que o deixou hipotecado por longo tempo, que destruíu o futuro da(s) próxima(s) gerações, é um povo de pamonhas.

CGD, EDP, Galp, PT, …

TIAC condena nomeações políticas na Administração Pública e empresas do Estado
Luís Bernardo, 27/07/2011, TIAC

Só mais e melhor democracia pode salvar este país…

da total submissão política e económica.

.

A boa oportunidade para a democracia semi-directa em Portugal.

E, chamam a isto democracia?

Duas horas e quarenta depois do início, a terceira ronda das negociações sobre o Orçamento do Estado entre Governo e PSD terminou sem declarações. A reunião será retomada amanhã ao meio-dia pelas duas equipas. …
(OE: negociações regressam amanhã, 25.10.2010, Nuno Lourenço, Público)

Segundo a imprensa, ambas as partes pretendem fechar o acordo o mais rapidamente possível, sobretudo antes de amanhã à noite Cavaco Silva confirmar a candidatura a Belém e de Sócrates participar no Conselho Europeu no final da semana. …
(Negociações entre Governo e PSD continuam terça-feira, 25 Outubro 2010, Jornal de Negócios)

Reuniões à porta fechada para decidirem quanto vão sacar aos servos, digo, contribuintes e para cumprirem calendários político-partidários?

Leituras complementares recomendadas:

Partidocracia no auge

Dividir o saque

SERVIÇO PÚBLICO: Salazar entalado entre duas repúblicas incontinentes

A ‘coisa nossa’ e a democracia orçamental em Portugal.

Cosa nostraOs capi das duas famílias, a primeira e a terceira, reúnem-se agora diariamente para decidir a partilha das colectas futuras  sob seu controle. Ninguém sabe o que verdadeiramente discutem os capi e os seus estados-maiores e nenhuma informação transpira para o exterior. A segunda família, com o poder disperso por muitos piccoli capi e não tendo um verdadeiro capo di tutti i capi preferiu não participar nestas reuniões, esperando que se mantenham os privilégios e as demarcações territoriais anteriores.

.

O texto acima é uma das muitas formas possíveis de caracterizar estas estranhas negociações à porta fechada entre o líder dos nacionais socialistas e o seu homólogo dos nacionais centristas, para a aprovação desse fantástico exercício de futurologia a que os burocratas deram o nome de Orçamento de Estado, e deste em particular que, como toda a gente sabe, irá salvar a nação das garras da pobreza, do desemprego e do opróbio da bancarrota. Ou não…

O que é que isto tem que ver com democracia? Nada.
A propósito, recomendo a leitura do texto de José Adelino Maltez intitulado “Porque hoje é o dia do senhor e não haverá a urgente revolta dos escravos”, publicado aqui e aqui também.