Tag Archives: livro

Até o politicamente correcto* precisa de uma consoante muda.

Vogais e consoantes politicamente incorrectas do acordo ortográfico, Pedro Correia - livro, apresentação

* O que é o politicamente correcto?

Colóquio “Os valores não são mentira”

A pedido deste senhor, faço com muito gosto publicidade ao seguinte Colóquio e acto de apresentação de livros de, e sobre, Bernard Lonergan. A entrada é gratuita.
.

FILOSOFIA E ECONOMIA EM BERNARD LONERGAN
1 de Abril de 2011 – UCP – Auditório 2 (Edifício antigo)

10H00 Recepção aos participantes
10H15 Abertura – Intervenção das autoridades académicas

1º Painel Temático – Motivos da crise actual: ganância ou ignorância?
Moderador: Manuel Cândido Pimentel
10H30 João Salgueiro
10H50 Mendo Henriques
11H10-11H30 Debate

11H30-12H00 – Pausa para café

2º Painel Temático – Respostas à crise: mais valores ou mais conhecimento?
Moderador: Carlos Morujão
12H00 Vitor Bento
12H20 Carlos Silva
12H40-13H00 Debate

13H00 Almoço

14H30 Lançamento dos livros “Insight: Um ensaio sobre o Conhecimento” e “Bernard Lonergan:Uma filosofia para o séc. XXI”

3º Painel – Açores
15H00 Eduardo Ferraz da Rosa e Tomaz Dentinho – (14H00, Hora Açores)

4º Painel – Intervenções
Moderador: Américo Pereira
15H20 Artur Morão – “O sujeito em Lonergan”
15H40 Ângelo Cardita – “A teologia e o método da autenticidade”
16H00 Samuel Dimas – “Lonergan e o progresso cultural”
16H20 Miguel Oliveira Panão – “Lonergan e o diálogo entre ciência e fé”
16H40-17H00 Debate

Encerramento

Um livro especial, um amigo, uma edição de autor,

uma bela prenda de Natal para quem tenha gosto pela escrita poética perpassada de alguma erudição literária e filosófica.

.
O país era uma prisão perpétua
Com grades de ferro e medo.
Nasceu, enfim, o mês de Abril,
O pai da famosa revolução.
E a liberdade foi a Primavera
Do alvoroço de quem saíu à rua
E amorosamente a guardou.
Dia a dia foi-se aprimorando:
Perdoou a verdugos,
Perseguiu alguns idealistas,
vexou, pilhou, matou,
Proibiu liberdades discordantes,
Condecorou corruptos e libertinos,
Quis trocar o hábito do camisa negra
Por um colete vermelho pintado,
Mas optou por um róseo banquete.
A Primavera de Abril (excerto)
Afrânio Rosaes, Dissimetrias, Lisboa 2008
.
As memórias reflexivas de uma vida (a do autor), das suas conexas e de um tempo (a segunda metade do séc. XX), contadas de uma forma sentida, analisada, percorrida.
.
Livto Dissimetrias - capaNota: O livro só se encontra à venda em quatro livrarias – em Lisboa, na PORTUGAL; em Algés (Miraflores), na OBRAS COMPLETAS; em Vila Real (Trás-os-Montes), na BRANCO e na Papelaria EDUARDO.
.
Nota 2: Pode ler-se um poema completo deste livro reproduzido aqui.