Tag Archives: financeiro

Itália: não é possível continuar a esconder o descalabro económico.

Com uma dívida monumental de 1,9 mil biliões de euros, correspondente a 120% do PIB, e uma contracção económica crescente, a Itália não pode mais esconder o enorme descalabro económico-financeiro em que caíu – tal como prevíamos aqui no Jardim há 2 meses.

O primeiro-ministro Monti, um tecnocrata mas também um político muito experiente, acaba de passar a outro a batata quente que é o Ministério da Finanças italiano.

É o fim do euro (e de tudo o mais que lhe está associado), pelo menos tal como o conhecemos hoje.

Nota: Entretanto, nos EUA – cuja Economia permaneceu estreitamente ligada à italiana desde o final da 2.ª Guerra Mundial, facto a que não será alheia a coisa deles – continua a festa da flexibilização quantitativa (baseada numa fantástica teoria económica de que Krugmann é um dos mais conhecidos divulgadores, a qual, contrariando a própria lei da oferta e da procura, defende que o simples aumento da massa monetária potencia globalmente a Economia apenas pela via do crescimento do consumo ou da procura da prestação de serviços). Estes norte-americanos são ainda mais loucos que os romanos O capitalismo internacional parece empenhado em tornar verdade aquilo que não pareceria possível: a profecia de Marx. Não custa mesmo nada este tipo ter uma boa parte de razão no que diz.

O resgate financeiro à banca explicado às crianças

Sem tempo para grandes escritas fica aqui explicado às criancinhas com música, digo, com recurso a meios audiovisuais, o sistema de resgate financeiro aos bancos em Portugal, Espanha, Chipre, Itália e pela Europa em geral.

Economia ao fundo: Zona euro.(actualização)

Em 17 de Dezembro de 2009 foi publicada aqui no Jardim esta imagem ilustrativa do jogo das economias da zona euro.

Passados que são agora 1 ano e 7 meses publica-se a mesma imagem devidamente actualizada.


Estranho jogo este da Economia global, hum?

Por exemplo, ler por ordem e concluir:
1. FMI pede que Itália tome medidas decisivas contra dívida (13/07/2011)
2. Itália paga juro mais elevado em 11 anos para emitir dívida (28/07/2011)
3. FMI alerta França para riscos de contágio da crise da dívida (27/07/2011)
4. …

O fim da dominação dos falsos socialistas incompetentes.

Foi possível, finalmente, dar uma leitura (ainda que parcial e rápida) ao Memorando de Entendimento nos Condicionamentos Económicos Específicos da Política Económica para Portugal, estabelecido com o FMI/BCE/EU com vista a permitir o empréstimo para resgate da dívida pública portuguesa – aproveitando gratamente a tradução feita pela equipa do blogue Aventar.

A primeira e mais importante conclusão que é possível tirar, é aquela expressa no título do presente texto: a de que acabou a dominação dos falsos socialistas incompetentes que conduziram a Administração Pública portuguesa à insolvência, o país à estagnação económica e uma parte substancial do povo à penúria.

Ao contrário do que acontece usualmente neste país, os responsáveis pelo descalabro são reconhecidos como tal e podem mesmo ser apontados. São eles os (ainda) primeiro-ministro e ministro da Finanças – ajudados até certa altura pelos (tristemente famosos) Pino e Lino. Estes indivíduos são responsáveis pela destruição da subsistência, nalguns casos da vida, de muitos milhares de pessoas. Só no limitado âmbito dos meus relacionamentos conheço duas dezenas de casos. Estes indivíduos têm que prestar contas, têm que ser levados à justiça pelas associações representativas daqueles que destruíram (e continuam a destruir) de forma deliberada e calculista.

Lê-se e ouve-se por aí que as condições deste Memorando obrigam à suspensão da democracia. Não é verdade. Esta é a segunda mas não menos importante conclusão. O que este Memorando faz é suspender o actual pseudo-socialismo cleptocrático. Qualquer pessoa que conheça o significado da palavra sabe que a democracia foi suspensa em Portugal pelo primeiro governo de José Sousa, vulgo Sócrates, em 2005. (Seria essa, aliás, a razão que conduziria à fundação deste blogue, mas esse assunto será explanado num dos textos seguintes.)

É preciso sabDemon possessed pigs.er olhar para além das aparências. Sócrates e a sua camarilha vão usar todos os truques e enganos para tentarem iludir (e iludir-se quanto) aquilo, que já sabem (sim, eles já sabem), irá acontecer. Eles são mestres nas artes das aparências. Mas a realidade é esta: toda a dominação tem um fim e esta dominação sobre os portugueses acabou.

Então, os espíritos malignos saíram do homem e entraram nos porcos, e a vara, cerca de uns dois mil, precipitou-se do alto no mar e ali se afogou.
Marcos 5, 13

A terceira conclusão não é, infelizmente, tão positiva como as anteriores. É mais um aviso. As medidas preconizadas no Memorando não resolvem o problema estrutural da falta de crescimento da Economia portuguesa. Sendo isto uma coisa tão óbvia, é caso para perguntar se não será também deliberada da parte daquelas Economias que pretendem (sem rebuço, sequer) dominar a União. É que, depois de convencerem os governantes destes país, com falas mansas e subsídios, a demolir durante trinta anos as actividades produtivas básicas para a subsistência – a agricultura e as pescas – e as indústrias básicas tradicionais – os têxteis e o calçado –, estão agora a criar as condições para a colonização completa do país pelas poderosas empresas industriais e comerciais alemãs e espanholas, principalmente (já iniciada, aliás: basta atentar na origem dos bens que os portugueses compram).

Desta forma, o caminho de Portugal não será diferente do da Grécia e da Irlanda – a total dependência económica e a total submissão política. Ou, em alternativa, a saída da moeda única.

Uma sociedade que troca um pouco de liberdade por um pouco de ordem acabará por perder ambas, e não merece qualquer delas.
Thomas Jefferson (1743-1826), carta a James Madison
.

Os novos poderes pedreiros financeiros.

Banco Português de Gestão.

.Sociedades Secretas - DVD

Accionistas principais:

– (grande loja) Fundação Oriente;
CONSELHO DE CURADORES
Prof. Doutor João José Fraústo da Silva
Presidente
Dr. Manuel Carvalho Fernandes
Dr. Francisco Murteira Nabo
Dr. Stanley Ho

CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO
Dr. Carlos Augusto Pulido Valente Monjardino
Presidente

– S.T.D.P. – Sociedade Transnacional de Desenvolvimento de Participações (S.G.P.S.), S.A.;
Membros do Conselho de Administração (cf. aqui)
STANLEY HUNG SUN HO – PRESIDENTE

– (grande tríade) Fundação Stanley Ho;

– (este) Carlos A.P.V. Monjardino.

.

Nota 1: Aqueles, espertos ambiciosos, que pensam que o dinheiro é todo igual e que a honestidade, ou a falta dela, na sua origem não conta, verão  daqui a algum tempo como estão enganados.

Nota 2: Como se pode ver, os tubarões originários das zonas tropicais, como o tubarão-tigre (“um predador perigoso, conhecido por se alimentar de um reportório notável de coisas“) e o tubarão-touro (“comem até tubarões da mesma espécie“) são muito mais perigosos dos que os seus congéneres das zonas temperadas, como o tubarão-branco (“diferem muito do que popularmente se lhes chama, máquinas de matar, segundo a lenda urbana“).

Economia ao fundo: Zona euro.

Economias colapso - Zona euro
.
Onde está o Wally Portugal?
.
Tal como afirmado aqui (prometo que não vou dizer: – eu bem vos dizia…)
.