Tag Archives: dádiva

The church of Jesus or the church of the apostles?

A Igreja de Jesus ou a Igreja dos apóstolos? (pode ler este texto em português mais abaixo)

Preliminary note

Before going through this discussion and to avoid misinterpretation, let me make it perfectly clear that I firmly believe that all the words in the Bible come from God, that it is the Word of God as some of you would say.
However, the word of God can be (and is) sometimes misused, abused, used with bad intentions. Anyone that reads through one of the passages commonly entitled ‘the temptations of Jesus’ – Matthew 4: 6 or Luke 4: 9-10 – cannot doubt that the devil himself knows (and can use) the words of the Book with evil intentions.
Can one avoid this? How can one be reassured that the enemy is not using the Word that comes to him? (Please, understand that it is not my desire to start a theological discussion but simply to let you know what I usually do in such circumstances – and I am quite sure that other people will do it some other way.)
Simply go to Jesus. Search in the Gospels, through the words (and deeds) of Jesus, confirmation of that particular word. If one can find it, the word given to him is most certainly intended for good (even if it is a word that causes discomfort). If not… keep it in mind and, in time, the Holy Spirit will reveal the truth about it.

The church of the apostles

The church of apostles is the hierarchical, pyramidal shaped organization we have today (in most cases). The extreme example of this structure is the Roman Catholic Church (fig.1), yet most big churches end up following the same model (fig.2) – which is the corporation model used by almost all big companies (fig.3). The church of the apostles is the church of men.

Hierarchy of Roman Catholic ChurchHierarchy of Late Days Saints ChurchCorporate Structure Pyramid Schem

figures 1, 2 and 3 (click over to see larger and in their original context)

As you can see, is a top down (chandelier shaped) structure headed by one leader, a human leader placed on the top (fig.4), that overrules (theoretically, at least) the whole organisation. It is a church that can only grow down at the cost of being a heavier and heavier structure (fig.5).

Saint Joseph Parish Ministry ChartSaint Thomas Aquinas Parish Org. Chart

 

figures 4 and 5 (click over to see larger and in original context)

You may ask: but is it not biblically based? Well, yes, it is the church which Luke describes in Acts 6: 1-7;

1 In those days when the number of disciples was increasing, the Hellenistic Jews among them complained against the Hebraic Jews because their widows were being overlooked in the daily distribution of food. 2 So the Twelve gathered all the disciples together and said, “It would not be right for us to neglect the ministry of the word of God in order to wait on tables. 3 Brothers and sisters, choose seven men from among you who are known to be full of the Spirit and wisdom. We will turn this responsibility over to them 4 and will give our attention to prayer and the ministry of the word.”
5 This proposal pleased the whole group. They chose Stephen, a man full of faith and of the Holy Spirit; also Philip, Procorus, Nicanor, Timon, Parmenas, and Nicolas from Antioch, a convert to Judaism. 6 They presented these men to the apostles, who prayed and laid their hands on them.
7 So the word of God spread. The number of disciples in Jerusalem increased rapidly, and a large number of priests became obedient to the faith.

(A parenthesis here. If you continue reading through Acts 6 and 7 you will read the story of Stephens martyrdom, taken to be the first in the history of the church of Christ. The question to be raised is: Could there be a connection between these two events? And what about the statement of the Twelve: “It would not be right for us to neglect the ministry of the word of God in order to wait on tables. …”? Is it not filled with arrogance? Were not the apostles appropriating the Word? As I told you before, I am not trying to start a theological discussion; I am just raising (what seem to be) relevant questions. Because relevant questions are the way to understanding, and understanding is a condition of true knowledge.)

The church of Jesus Christ

The church of Jesus is a non-hierarchical (democratic), tree-like organization we should have (and we seldom do). Jesus himself describes His church very clearly in…

Has this text sparked your interest? Would you like to know more? Invite me to speak at your meeting (group, community, congregation, conference, symposium, …). To find my email address just click on my profile (top right) under the title “O Itinerante Jardineiro”.

***

A igreja de Jesus ou a igreja dos apóstolos?

Nota prévia

Antes de passar ao tema da presente argumentação, e para evitar mal-entendidos, quero deixar perfeitamente claro que eu acredito firmemente que toda a Palavra que está na Bíblia veio de Deus, é a Palavra de Deus como alguns de vós dirieis.
Contudo, essa Palavra pode ser (e tem sido) algumas vezes mal usada, abusada, usada com más intenções. Qualquer pessoa que leia uma das passagens usualmente intituladas “As tentações de Jesus” – Mateus 4: 6 ou Lucas 4: 9-10 – não pode duvidar que o próprio diabo sabe (e pode usar) passagens do Livro com más intenções.

Pode isto ser evitado? Como pode alguém assegurar-se que o inimigo não está a usar a Palavra que veio até si? (Por favor, entendam que não é minha intenção iniciar uma discussão teológica mas simplesmente partilhar convosco o que usualmente faço nestas circunstâncias – e, estou certo que outras pessoas o farão de outra maneira.)
Simplesmente, ide a Jesus. Procurai nos Evangelhos por entre as palavras (e acções) de Jesus a confirmação dessa palavra em particular. Se encontrar, a palavra que foi dada a essa pessoa é com certeza bem intencionada (mesmo que seja uma palavra que cause desconforto). Se não… guarde-se na memória e, a seu tempo, o Espírito Santo revelará a verdade sobre essa palavra.

A igreja dos apóstolos

A igreja dos apóstolos é a organização hierárquica, em forma de pirâmide, que existe actualmente (na maioria dos casos). O exemplo extremo deste tipo de estrutura é a Igreja Católica Romana (fig.1), ainda que quase todas as grandes igrejas acabem por seguir o mesmo modelo (fig.2) – que é a estrutura corporativa usada por quase todas as grandes empresas (fig.3). A igreja dos apóstolos é a igreja dos homens.

[veja as figuras 1, 2 e 3 acima, no texto em inglês]

Como pode ver-se, é uma estrutura de cima para baixo (em forma de candelabro) encabeçada por um líder, um líder humano posicionado no topo (fig.4), o qual manda (teoricamente, pelo menos) sobre toda a organização. É uma igreja que só pode crescer para baixo à custa de se tornar uma estrutra cada vez mais pesada (fig.5).

[veja as figuras 5 e 6 acima, no texto em inglês]

Podeis perguntar: mas não é biblicamente fundamentada? Bom, sim, é a igreja que Lucas descreve em Actos 6: 1-7;

1 Por esses dias, como o número de discípulos ia aumentando, houve queixas dos helenistas contra os hebreus, porque as suas viúvas eram esquecidas no serviço diário. 2 Os Doze convocaram, então, a assembleia dos discípulos e disseram: «Não convém deixarmos a palavra de Deus, para servirmos às mesas. 3 Irmãos, é melhor procurardes entre vós sete homens de boa reputação, cheios do Espírito e de sabedoria; confiar-lhes-emos essa tarefa. 4 Quanto a nós, entregar-nos-emos assiduamente à oração e ao serviço da Palavra.»
5 A proposta agradou a toda a assembleia e escolheram Estêvão, homem cheio de fé e do Espírito Santo, Filipe, Prócuro, Nicanor, Timão, Parmenas e Nicolau, prosélito de Antioquia. 6 Foram apresentados aos Apóstolos que, depois de orarem, lhes impuseram as mãos.
7 A palavra de Deus ia-se espalhando cada vez mais; o número dos discípulos aumentava consideravelmente em Jerusalém, e grande número de sacerdotes obedeciam à Fé.

(Aqui um parêntese. Se continuarmos a ler por Actos 6 e 7 leremos a história do martírio de Estêvão, tido como o primeiro da história da igreja de Cristo. A questão que deve colocar-se é: Poderá existir uma ligação entre estes acontecimentos? E o que dizer da declaração dos Doze: “«Não convém deixarmos a palavra de Deus, para servirmos às mesas. …”? Não é cheia de arrogância? Não estavam os apóstolos a apropriar-se da Palavra? Como já referi antes, não tenho intenção de iniciar uma discussão teológica; estou apenas a levantar (o que me parecem ser) questões importantes. Porque as questões relevantes são o caminho para o entendimento, e o entendimento é a condição para o conhecimento verdadeiro.)

A igreja de Jesus Cristo

A igreja de Jesus é uma organização não-hierárquica (democrática), em forma de árvore, que deveriamos ter (e raramente temos). O próprio Jesus descreve muito claramente a sua igreja em…

Este texto despertou o vosso interesse? Gostariam de saber mais? Convidem-me para o apresentar na vossa reunião (grupo,  comunidade, congregação, conferência, simpósio, …). Para encontrar o meu endereço de email basta clicar no meu perfil (em cima, à direita), sob o título “O Itinerante Jardineiro”.

 Notes/Notas: The text above is copyrighted. I am grateful to my translator friend Emma for revising it./ O texto acima está sob direito de autor. Estou muito grato à minha amiga tradutora Emma pelo seu trabalho de revisão.

Advertisements

Angels.


I look above
And I know I’ll always be blessed with love.
And as the feeling grows
She breathes flesh to my bones,
And when love is dead
I’m lovin’ angels instead.

O presente recusado.

Uma parábola do tempo actual.

Um dia, um pai amantíssimo chamou um dos seus servos, que tinha adoptado como filho, e disse-lhe:
– Sei que frequentas a casa de uma família que também me conhece. Brevemente te darei um presente para lhes levares em meu nome.
O servo, curioso, perguntou: Que presente será esse, senhor?
O pai respondeu-lhe: – Um pouco da minha água-de-vida* que dá alento, alegra o coração e restaura o corpo. Mas diz à família que visitas somente que lhes levarás um presente, sem dizeres o que é.
Quando o servo voltou a visitar aquela família disse-lhes tal como o pai e senhor lhe havia recomendado. Mas, na sua ingenuidade, acabou por lhes dizer também que preparassem os cálices, o que, obviamente, desvendou completamente o pretenso segredo sobre o presente.
O pai veio a saber do seu deslize mas não lhe disse nada porque sabia que o seu servo e filho não tinha feito por mal.
Passado um tempo, o servo disse ao senhor e pai que iria visitar de novo aquela família e gostaria de levar o presente do pai. O pai já sabia muito bem o que iria acontecer mas deu-lhe o presente para ele levar.
O servo foi e quando chegou à casa deles veio o mordomo ter com ele e disse-lhe:
– Não posso permitir-lhe que dê aquele presente à família a quem sirvo porque alguns dos seus membros mais antigos vieram falar comigo e me disseram que se ofenderiam, porque são radicalmente contra toda a espécie de bebidas espirituosas.
O servo não cabia em si de espanto mas, porque estava em casa alheia e por respeito para com o mordomo, e para com alguns membros da família de quem gostava muito, acatou a ordem.
Quando voltou a falar com o pai e ia contar-lhe o sucedido ele disse-lhe que já sabia. Então o servo perguntou ao pai:
– O que devo fazer, senhor? Sei que deves estar zangado comigo, por não ter feito bem o que me mandaste, e aborrecido com aquela família por ter recusado o teu presente. Se for da tua vontade, não voltarei aquela casa.
O pai demorou a responder-lhe e finalmente disse-lhe:
– Vai. Mas, da próxima vez que os visitares não entres, fica à porta e espera que o mordomo venha falar contigo.
O servo não ficou muito feliz mas fez como o senhor e pai lhe havia ordenado. O mordomo não veio logo falar com ele, fê-lo esperar, mas pela porta entretanto aberta o servo podia ouvir as suas palavras exortando a família a receber o presente que lhes havia sido enviado e tentando fazê-los compreender a grave falta que seria recusar um tal presente vindo de quem vinha.
Quando o mordomo veio finalmente à porta, o servo cumprimentou-o e foi-se embora sorrindo, porque sabia que o pai iria ficar contente quando lhe contasse o que tinha ouvido.

Epílogo: (publicado em 24-01-2011 pelas 20:30) Não obstante reconhecer o erro da família que serve e saber da parte de quem vem aquele que o visita , o mordomo, temeroso de perder o seu emprego, enviou uma mensagem ao servo proibindo-o de falar do presente de seu pai na presença daquela família, caso voltasse a visitá-la. O servo ficou muito triste e, não querendo incomodar o seu senhor novamente com aquele assunto que por certo o magoaria profundamente, pediu conselho ao filho legítimo de seu pai adoptivo sobre o que deveria fazer. O seu irmão e senhor disse-lhe que respondesse ao mau anfitrião, o mordomo, com as seguintes palavras:

Ao entrardes numa casa, saudai-a. Se essa casa for digna, a vossa paz desça sobre ela; se não for digna, volte para vós. Se alguém não vos receber nem escutar as vossas palavras, ao sair dessa casa ou dessa cidade, sacudi o pó dos vossos pés.
Mateus 10: 12-14

*Tradução literal do termo francês eau-de-vie, do latim aqua vitae, que designa as bebidas espirituosas em geral.

Pentecostes – o quinquagésimo dia.

Ticiano - A descida do Espírito Santo sobre os ApóstolosO Dom do Espírito Santo – Quando chegou o dia do Pentecostes, encontravam-se todos reunidos no mesmo lugar. De repente, ressoou, vindo do céu, um som comparável ao de forte rajada de vento, que encheu toda a casa onde eles se encontravam.
Viram então aparecer umas línguas, à maneira de fogo, que se iam dividindo, e poisou uma sobre cada um deles. Todos ficaram cheios do Espírito Santo e começaram a falar outras línguas, conforme o Espírito lhes inspirava que se exprimissem.
Ora, residiam em Jerusalém judeus piedosos provenientes de todas as nações que há debaixo do céu. Ao ouvir aquele ruído, a multidão reuniu-se e ficou estupefacta, pois cada um os ouvia falar na sua própria língua.
Atónitos e maravilhados, diziam: «Mas esses que estão a falar não são todos galileus? Que se passa, então, para que cada um de nós os oiça falar na nossa língua materna?

Actos dos Apóstolos 2, 1-8

Domingo de Pentecostes.

O Espírito de Deus é o Espírito do Amor.

O Jardim no Deserto associa-se ao Comadres Compadres & Companhia na divulgação do apelo pela Rafaela. Para além de todas as referências que constam do blogue amigo, deixa-se aqui o Testemunho de Tânia Cordeiro – mãe da Rafaela, publicado no semanário O Regional do dia 6 de Março de 2008.

Boas melhoras Rafaela. Coragem Tânia!