Tag Archives: crise

A caminho de uma nova crise financeira?

Neste postal aqui publicado em 24-10-2008, a fenomenal equipa unitária que autoria este blogue faz um (muito visual) diagnóstico da saúde e da (má) terapêutica dos mercados bolsistas à data, e deixa no final a pergunta: O que vai acontecer a seguir?

Passados três meses uma determinada resposta começa a apresentar um elevado grau de plausibilidade. Ei-la:Peter Schiff


In his efforts to prevent the next financial crisis, the President is focused on the symptoms rather than the disease. Therefore, his attempt to prevent future financial crises is doomed to failure, as the misguided policies that led to the last crisis are preserved while even more damaging policies are added. Current Fed policy is more reckless than before; continued subsidies to the mortgage market and the bailouts for banks are creating even bigger moral hazards; and, as a result, the economy is even more leveraged and more vulnerable to rising interest rates than ever.
The only way to prevent another financial crisis would be to reverse the fiscal and monetary policies that lead to the last crisis, and which now threaten to bring on an ever larger one.

(Peter Schiff: Obama’s bank plan is ‘doomed to failure’, January 21, 2010, Investment News) 

Pensem o que quiserem, mas o autor do artigo parcialmente transcrito acima tem fama de ser uma autoridade nas suas previsões, mesmo quando (ou especialmente quando) elas são muito inconvenientes.

A falsa solução da crise financeira na Europa,

ou a velha (e nunca aprendida) lição de que os problemas não se resolvem pela aparência, mas apenas agindo na essência.

.

Regulators close 2 banks in Florida, 1 in Oregon, marking 72 US bank failures this year
Associated Press
Last update: August 7, 2009 – 10:46 PM

U.S. regulators close three banks
Fri Aug 14, 2009 10:08pm EDT

US regulators close Colonial
By Julie MacIntosh, Henny Sender and Saskia Scholtes in New York
Published: August 15 2009 00:52 | Last updated: August 15 2009 00:52

Aug 14, 2009 6:47 pm US/Eastern
Regulators Close Dwelling House Savings & Loan

Mas não nos fiquemos por alguns artigos mais recentes e vejamos a lista completa das falências de bancos e outras instituições financeiras nos EUA, aqui.

O que terá a dizer sobre isto o simplório simplex que escreveu esta simplexidade*.
E, havido este singelo momento de devaneio, passemos ao essencial.

A pergunta lógica a fazer em seguida é: Porque acontece isto nos Estados Unidos da América e não na Europa?

Exploremos algumas das razões que podem dar respostas plausíveis:
Algumas dessas razões podem encontrar-se neste artigo da BBC News publicado em 5 de Outubro do ano passado, German bank at risk of collapse:

The leaders also issued a joint call for a G8 summit “as soon as possible” to review the rules governing financial markets.
They decided instead to seek a relaxation of the EU rules governing the amount of money individual states can borrow.

UK Prime Minister Gordon Brown, meanwhile, called on European leaders to send the message that “no sound, solvent bank should be allowed to fail through lack of liquidity”.

Traduzindo e topicalizando:
1. Ignorar as regras da UE que determinam o montante máximo de empréstimos que cada país pode contrair;
2. Alterar as regras dos mercados financeiros;
3. Injectar liquidez em qualquer banco considerado solvente (mas não verificado, como se viu no caso do BPN).

Contudo, só isto não poderia explicar a quase absoluta ausência de falências bancárias nos países da UE. Como mantém a Europa esta liquidez, que aparentemente excede a produção de moeda pelo BCE?
A resposta a estas perguntas poderá estar subjacente a esta notícia que se reporta ao conhecido caso do departamento de justiça dos EUA contra o banco suíço UBS:

Putting figures on the secret banking industry is as precise a business as the old game of pinning the tail on the donkey, but experts reckon that Switzerland is home to about a third of the world’s $11 trillion or so in clandestine wealth.
What this week’s announcement adds up to is a small but significant crack in the giant black box that is Swiss banking.

Como se pode ler em cima, as autoridades norte americanas calculam em 11 triliões de dólares – pela escala numérica europeia, 11 biliões de dólares – os montantes depositados em contas reservadas de bancos europeus para fugir aos impostos nos EUA. Desses, calculam que apenas 1/3 esteja em contas suíças, o que significa que muito deste dinheiro estará em contas de outros países, que não forçosamente paraísos fiscais, como por exemplo o Liechtenstein, o Luxemburgo e a Bélgica (para só mencionar os suspeitos do costume).

Mas… que problema pode estar por detrás desta constatação?

UBS clients can report their accounts to the IRS until Sept. 23. Those voluntary disclosures helped widen the IRS net.
“As more Americans voluntarily come into compliance and face their financial obligations, more leads are being developed and new investigations are initiated,’’ acting US Attorney Jeffrey Sloman said.

É muito simples. À medida que o dinheiro for ficando visível, o interesse dos seus proprietários em mantê-lo na Europa desaparece. A maior parte destas contas europeias, que estavam em bancos ainda não acusados pela administração norte americana, já terão por esta altura zarpado para outros lugares e continentes, ou estarão em vias disso.
Ora, o resultado imediato desta acção será um decréscimo muito rápido e acentuado da liquidez nos países da Europa, agravado pelo facto de, em muitos casos, os bancos estarem a esconder este sangramento para não se colocarem à mercê das questões judiciais que daí resultariam.

E, a crise financeira voltará a agravar-se. Ou pensam que é por acaso que, ao contrário dos socretinos por aí andam (ainda), o senhor Trichet recomenda prudência (mesmo pressionado por Bernanke ao contrário) e a senhora Merkel faz estas declarações. Ora ora…

 

Nota: Este texto foi também publicado aqui.

*O mau neologismo simplex – tão ao gosto destes maviosos e loquazes nerd-socialistas – expressa muito bem a qualidade do que vai nas suas elementares cabecinhas.

Economistas: Os novos oráculos.

Espantoso é que a maior parte desta gente ridiculariza os cristãos pela sua fé em Deus!

.

A pior recessão económica desde a Grande Depressão poderá ser prolongada devido aos consumidores continuarem a ver poucos sinais que as perdas de postos de trabalho e a queda dos preços das casas estarão a terminar, consideram os economistas Nouriel Roubini e Robert Shiller. (…)
(Roubini e Shiller prevêem recessão mais prolongada devido à falta de confiança, Patrícia  Abreu, 13 Julho 2009, Jornal de Negócios)

Quando, em 2006, Nuriel Rubini (que os ingleses escrevem Nouriel Roubini, para poderem ler o som “u”, e os jornalistas portugueses copiam sem pensar) muito bem fundamentado previu esta crise, muito poucos quiseram saber.

(…) Hoje Roubini afirmou numa conferência em Nova Iorque que o pior da crise já está para trás, no que diz respeito às condições económicas e financeiras, e estas declarações surpreenderam os mercados, que entraram de imediato em território positivo, salienta a Bloomberg.
Depois de a CNBC noticiar as palavras de Roubini, os mercados accionistas norte-americanos e as cotações do petróleo dispararam. Os principais índices bolsistas do outro lado do Atlântico estão a ganhar terreno, muito perto de ganhos de 1%. O petróleo, por seu lado, que hoje estava a negociar em território negativo, já está no verde tanto em Londres como em Nova Iorque.
(…)
(Roubini diz que recessão acaba este ano, Carla Pedro, 16 Julho 2009, Jornal de Negócios)

Agora, qualquer afirmação sem fundamento vinda do mesmo homem é tomada como um oráculo. Haja paciência!

 

Sigam-me, não estou perdido

Follow me, I’m not lost…

 

O nervosismo que rodeia os voos dos aviões Airbus:

as verdadeiras causas.

.

Economia Airbus

Após o recente e trágico desastre do Airbus A330-200 do voo 447 muitos têm sido os voos abortados com aparelhos desta marca europeia. Só nos últimos 6 dias terão sido 8, em conformidade com estas notícias:

Um novo problema envolvendo um Airbus, o sétimo em cinco dias com aviões daquele fabricante, obrigou ontem um A-320 da Ibéria que ia de Madrid para Copenhaga a regressar ao aeroporto de Barajas 40 minutos depois de ter descolado. …
(Airbus da Ibéria aborta voo, 14 Junho 2009, Correio da Manhã)

Um avião da Sata foi forçado a regressar ao aeroporto de Lisboa, hoje, por problemas técnicos não identificados. …
(Avião forçado a aterrar na Portela, 15 | 06 | 2009, Destak)

É-se levado a pensar que se trata de um cuidado especial com os passageiros. Como dizem os ingleses: you must think again.

As verdadeiras razões desta enorme histeria em volta dos voos com aviões da Airbus torna-se bem explícita a partir do conjunto de notícias seguinte:

Especialistas consideram que haverá um impacto negativo no curto prazo na procura por bilhetes, …
(Desaparecimento de avião da Air France deve reduzir venda de passagens, Marcio Orsolini e Gisele Cabrini, 02.06.2009, Portal Exame)

Agência Europeia para Segurança da Aviação (Easa) emite nota de segurança após queda do avião da Air France. Em plena crise da indústria de aviões, Airbus recebe ameaça de cancelamento do superavião A380. …
(Acidente da Air France acontece em plena crise da indústria de aviões, 10.06.2009, Deutsche Welle)

Nova York – Executivos da fabricante europeia de aviões Airbus disseram neste fim de semana que a produção da empresa pode cair até 25% nos próximos dois anos, devido ao ajuste da empresa às condições mais difíceis do mercado, segundo reportagem deste domingo no site do diário americano “The New York Times” …
(Produção da Airbus pode cair até 25% nos próximos dois anos, 15/06/2009, Portugal Digital – Brasil/Portugal)

Muito más notícias para a Economia europeia.

Continua a política económica socialista de sucesso.

Frase de cartaz para as europeias: “O PS combate a crise”.

 

As receitas mensais do IVA caíram 58% e 55% em Março e Abril deste ano, respectivamente. No acumulado de Janeiro a Abril a descida do IVA está em 26,6%, com tendência de agravamento. A queda tão acentuada do IVA só encontra explicação no incumprimento por parte das empresas, que, em desespero e sem dinheiro, optam por não pagar, ou não chegam sequer a declarar o imposto que seria devido.  O Governo aponta o abrandamento da actividade económica, a alteração da taxa de IVA de 21% para 20%, que entrou em vigor em Julho do ano passado, assim como a simplificação dos reembolsos, e não reconhece a gravidade do problema.
(IVA cai mais de 50%, Vida Económica, 29-05-2009)

Continuação da frase de cartaz para as europeias:”os outros combatem o PS”.

Das 285 mil empresas em actividade e com trabalhadores registados, um quinto (57 mil) está em falência técnica, com o passivo (dívidas) superior ao activo (bens), …
(Há 57 mil empresas em falência técnica, Jornal de Notícias, 2009-05-29)

Deduz-se, logicamente, que “os outros” só podem ser os malandros dos empresários, que teimam em estar em dificuldades apesar do portentoso “combate” à crise do PS – e do seu magnífico líder, ficou em falta acrescentar.

Ave Caesar morituri te salutant

 

O cartaz que faltou ao ps

 

A crise económica e social tem origem na crise de valores.

Já havia sido dito aqui, num outro contexto: vem agora a evidência demonstrá-lo.

 

Perito em Ética

A crise serve de justificação para muita coisa. Quem o diz são os empresários. Um estudo da consultora Ernst&Young, levado a cabo junto de dois mil executivos europeus, revela que boa parte destes profissionais considera aceitável cometer actos ilegais nesta fase recessiva. …
(Empresários: subornar e mentir é aceitável em tempo de crise, em 20-05-2009 no Portugal Diário)

 

Para um quarto dos gestores ouvidos pela consultora Ernst & Young seria aceitável subornar clientes para superar a actual recessão.
O estudo, que ouviu dois mil gestores de 22 grandes empresas europeias, mostra que cerca de metade destes Executivos considera aceitável ter um ou mais comportamentos pouco éticos em tempos de crise. …

(25% dos gestores subornaria clientes para sobreviver à crise, Rita Paz em 20/05/09 no Económico)

 

Poderá ser-se levado a pensar que as pessoas terão deixado de distinguir entre o que está certo e o que está errado. Para se perceber que esse pensamento é completamente falso, basta atentar nalguns comentários destas notícias:

 

(no Económico)

pois é…, | 20/05/09 15:37
não é por acaso que se dão as crises financeiras! Até se pode inferir que mesmo em tempos de não crise estas práticas se passaram…daí a crise ter aparecido!

 

ADiasAlves, Porto | 20/05/09 15:50
O problema que esteve na origem do descalabro actual da economia, a amoralidade que justificou o “vale tudo” e a ganância dos CEOs (e outros), continua lá, bem vivo!
Exigem-se maiores poderes para a regulação, para os accionistas e para o BoD com actuação decidida perante problemas éticos, doutro modo a confiança vai-se…
Só que sem confiança não há bolsa nem mercados que resistam… voltaremos ao descalabro que os contribuintes estão agora a pagar (e vão continuar).

 

(no Portugal Diário)

SERVEM-SE DE TUDO….| 2009-05-20 / 22:11 | Por: emanuel santos
para meter o dinheiro ao bolso! Aprenderam bem a lição, têm um grande professor no governo. Não admira com tanto desemprego a baixarem salários aos seus empregados, encostando-os á parede! Neste momento esta gente sem escrúpulos servem-se de todos os truques para “zelarem” pela vidinha. O governo que continue a dar “ajudas” a estes srs. e a tirar da boca aos mais necessitados!!!!!!

 

O “LIXO”| 2009-05-20 / 16:05 | Por: Nuno Rapaz
Este “lixo”, como o outro – o normal, vai demorar tempo a limpar. A notícia só peca por dar a entender que os empresários só pensam nas acções descritas em tempo de crise… Puro engano. E, provavelmente, são essas práticas causadoras de uma crise que ultrapassa, em muito, uma mera crise financeira.

 

Afinal, as pessoas não só sabem muito bem distinguir o certo do errado, como têm uma consciência agudíssima de que a falta de valores éticos está na origem da crise económica.

E parecem saber, também, que o exemplo vem de cima:

 

A Comissão Europeia (CE) considera que Portugal infringiu as leis comunitárias da concorrência ao adjudicar por ajuste directo, e não por concurso público, todos os programas governamentais ligados ao Plano Tecnológico da Educação. Está em causa a distribuição gratuita ou a preços reduzidos de mais de um milhão de computadores a alunos e professores – incluindo os 500 mil ‘Magalhães’ que o Executivo de José Sócrates prometeu distribuir pelos alunos do 1.º Ciclo. …
(Comissão Europeia considera Magalhães ilegal, por Luís Rosa, em 22 Maio 09 no Sol)

 

Q.E.D. ou, como dizem os juristas ingleses, I rest my case.

 

15Mas, se vos mordeis e devorais uns aos outros, cuidado, não sejais consumidos uns pelos outros. (Gálatas 5)

A falência da Quimonda: do Plano Tecnológico Nacional e de Sócrates

após perdidos mais 1800 postos de trabalho qualificados e €170 milhões de dinheiros públicos.

.

1º andamento – A demagogia impante:

Falando em Vila do Conde durante a cerimónia de anúncio de um novo projecto da empresa alemã Qimonda na área das células fotovoltaicas, o primeiro-ministro apontou este caso como mais um exemplo de como «as multinacionais estão satisfeitas com a economia e com a capacidade dos portugueses». … (Portugal Diário, Sócrates: Portugal vendeu mais tecnologia, 05-05-2008)

No final da sua intervenção, o primeiro-ministro elogiou o trabalho “bem feito” da Qimonda, salientando o “bom exemplo” da empresa que valoriza o mérito e a iniciativa. … (Maia Digital-Portal Empresarial, José Sócrates assinou protocolo com a Qimonda na ordem dos 70 milhões de euros, 2007-03-21)

.

2º andamento – a dura verdade que a desmente:

A Qimonda é uma multinacional de semi-condutores eléctricos situada em Vila do Conde (distrito do Porto) que emprega mais de 1700 trabalhadores, com uma média de idade de 26 anos. Nesta empresa, considerada “modelo” pelo governo do PS/Sócrates, 80% dos trabalhadores tem vínculos laborais precários e são sujeitos a um horário de trabalho desumano de 12 horas. … (Qimonda – modelo de precariedade e exploração, 11-Out-2008, página da Organização Regional Porto do PCP)

O Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias Eléctricas do Norte (STIEN) teme o encerramento da Qimonda em Vila do Conde e o despedimento dos 2.000 trabalhadores. Se a empresa fechar as portas “é um golpe muito profundo”, respondeu ao Negócios o coordenador do STIEN, Daniel Sampaio. … (Jornal de Negócios, “É um golpe muito profundo” fechar a Qimonda em Portugal, 23 Janeiro 2009, Isabel Costa)

.

3º andamento – e a inacção de quem só sabe produzir demagogia:

O Ministério da Economia não se pronuncia sobre a notícia de que a Qimonda entrou, já hoje, com um processo de insolvência no Tribunal de Munique. … (Rádio Renascença, Governo não comenta falência, 23-01-2009)

O ministro da Economia espera que seja encontrada uma solução para a Qimonda Portugal, após ter sido conhecido que a casa-mãe, na Alemanha, declarou falência. … (Portugal Diário, Ministro espera solução para Qimonda Portugal, 23-01-2009)

.

E o povo português, o que espera?

Será que é desta que os portugueses vão acordar? De ressaca, certamente, mas acordar? Finalmente, abrir os olhos e olhar a realidade, a dura mas verdadeira realidade? Acordarão agora os portugueses, que têm vivido no universo Matrix cor-de-rosa, embalados pelos discursos falsos e demagógicos do primeiro-ministro descaradamente propalados por alguns produtores de papel impresso escrito por um exército de Smiths?

Matrix Smiths

O governo terá ou não perdido 170 milhões de euros de dinheiro público?

A empresa é apontada como um exemplo de sucesso e de apostar em produtos de ponta com forte potencial de exportação e apenas em Maio do ano passado tinha obtido novos fundos públicos para apoiar a produção de células solares. … (Público, Qimonda Portugal é líder das exportações nacionais, 10.07.2007, Natália Faria)

Recorde-se que, nesse mesmo mês, o primeiro-ministro, José Sócrates, deslocou-se à empresa para assinar um contrato de investimento com o Estado no valor de 70 milhões de euros. … (Público, Qimonda, maior exportador nacional, abre processo de falência, 23.01.2009, Eduardo Melo)

.

Os 70 milhões, esses não há dúvidas que estão perdidos. E os 100 milhões?

O contributo nacional, através da Caixa Geral de Depósitos, foi de €100 milhões, o que equivale a 14% do valor investido pela empresa no país em 10 anos. “É um crédito, a pagar pela empresa à CGD, não um subsídio”, refere o porta-voz da Qimonda, Ralph Heinrich. … (Expresso, Empresas: Qimonda volta a ter esperança, 29 de Dez de 2008, Margarida Cardoso e Carlos Martins)

A Agência Financeira contactou a CGD para saber se o empréstimo tinha chegado a ser feito, mas fonte oficial recusou-se a comentar. Já fonte próxima da unidade portuguesa da Qimonda, afirmou à Agência Financeira que as negociações ainda estavam a decorrer e que o empréstimo não chegou a ser efectivado. … (Portugal Diário, Qimonda na falência após falhanço do financimento, 23-01-2009, Paula Martins)

Existe uma clara contradição entre a primeira notícia (que usa o passado: “O contributo foi…de €100 milhões…”) e a segunda notícia (“as negociações ainda estavam a decorrer…”). Em ambos os casos as declarações têm origem na empresa e, estranhamente, a CGD “recusou-se a comentar”. Porquê? A costumeira falta de transparência cria uma dúvida razoável.

.

Que consequências para a(s) Economia(s) envolvidas podem deduzir-se imediatamente a partir destes factos?

1. A economia nacional vai ser duramente afectada. Perder o maior exportador nacional neste momento difícil é um desastre, como compreenderá qualquer pessoa dotada de um cérebro a funcionar;

A Qimonda terminou o ano de 2007 como a maior exportadora nacional, com um volume de negócios de 1,4 mil milhões de euros, representativo de 5% das exportações portuguesas. … (Económico, Qimonda representa 5% das exportações nacionais, 23/01/09, Pedro Duarte)

2. A economia alemã, o pilar da economia comunitária da zona euro, começa a mostrar sinais óbvios de dificuldades e isso não indicia nada de bom. Nada mesmo…

A Qimonda tem vindo a enfrentar uma queda acentuada nas suas encomendas, em particular na Ásia, o seu principal mercado, que levou a uma quebra dos preços dos produtos em 51% durante o ano passado. Em consequência, no exercício fiscal de 2007/2008, a companhia registou um prejuízo de quase três mil milhões de euros. … (Económico, Qimonda representa 5% das exportações nacionais, 23/01/09, Pedro Duarte)

 

Mais demagogias:

http://aeiou.expresso.pt/gen.pl?p=stories&op=view&fokey=ex.stories/493701

Mais informação sobre a Qimonda e a falência:

http://www.jornaldenegocios.pt/index.php?template=SHOWNEWS&id=350744

http://noticias.sapo.pt/lusa/artigo/ce4e4d4e68ecb9793f53c2.html

http://www.reuters.com/article/companyNewsAndPR/idUSLM67106820090122

São cegos a guiar outros cegos ou…

estão deliberadamente a enganar os europeus, em geral, e os portugueses, em particular?

 

 

Joaquin Almunia

Segunda-feira, 17 de Novembro de 2008:

O Comissário Europeu dos Assuntos Económicos e Monetários alertou, esta segunda-feira, para o risco de uma possível «deflação» como consequência da crise económica e voltou a pedir aos países europeus uma resposta coordenada à actual situação. … (TSF, UE em risco de deflação, alerta Almunia)

Quarta-feira, 3 de Dezembro de 2008:

O comissário dos Assuntos Monetários da Zona Euro, Joaquin Almunia, considera não existirem «riscos reais» de deflação na Zona Euro. «Não considero que isso seja um risco real para a Zona Euro», afirmou em Bruxelas. … (Agência Financeira, Não há riscos de deflação na Zona Euro)

A verdade dos factos:

Economia europeia cai 0,2% e confirma recessão
2008/12/04, 10:50, Redacção/MD, Agência Financeira

Despedimentos colectivos mais do que duplicaram
01 Dezembro 2008, 10:00, Jornal de Negócios  Online

Não se pode, então, confiar em ninguém?

Pode. Por exemplo, pode confiar-se em alguém que não seja um incompetente a defender um emprego milionário.

A crise financeira mundial é apenas a ante-sala de um cenário bem mais sombrio, composto por recessão económica e deflação. E, para o economista americano Nouriel Roubini, que se tornou célebre por antever a eclosão da actual turbulência, o mundo está prestes a mergulhar nele. “O pior não passou: 2009 será um doloroso ano de recessão global, deflação e falências. … (Portal Exame, O pior da crise ainda está por vir, diz o economista Nouriel Roubini, 04.12.2008)

Os cidadãos portugueses e europeus têm o direito inalienável de ser informados com verdade.

Os portugueses que não querem continuar a ser enganados não voltarão a votar em quem lhes mente permanente e descaradamente.

Procurando uma solução para a crise.

Não consegui resistir a pôr aqui esta imagem com o seu título.

Procurando a solução para a crise

 

Encontrada no blogue Café Margoso, num postal intitulado Café Visual – Os ícones do séc. XXI.

A propósito de café, alguém sabe o que aconteceu aos autores do Puro Arábica? Parecem ter desaparecido sem deixar rasto… seriam extra-terrestres

O dinheiro enquanto dívida – Money as debt (2)

Ou, de como os políticos criam dinheiro a partir de nada.

.

Os traficantes de dinheiro

Quanto vai custar aos Estados europeus, efectivamente, a recapitalização dos bancos? Estão de pé? Sentem-se por favor! A recapitalização dos bancos não vai custar nada. O exemplo francês é muito significativo. A operação vai ser feita através de uma holding de participações sociais do Estado (SPPE) que receberá um aval público de 360 biliões de euros. O Governo francês acredita que esta solução será aceite pelo Eurostat e que será portanto possível manter a previsão do défice. Em termos de dívida o impacte também será mínimo porque a entidade que se endivida é a SPPE. … (ultratóxicos, publicado por Joaquim em 14 Outubro 2008 no blogue Portugal Contemporâneo)
.

Talvez não tenha percebido bem como se executa este truque? Então veja o vídeo em baixo (encontrado via Dragoscópio).

.

 

É isto que a maioria das pessoas actualmente idolatra. É por causa disto que a humanidade mata, engana, destrói, atraiçoa…

 

6A piedade é, realmente, uma grande fonte de lucro para quem se contenta com o que tem. 7Pois nada trouxemos ao mundo e nada podemos levar dele. 8Tendo alimento e vestuário, contentemo-nos com isso. 9Mas os que querem enriquecer caem na tentação, na armadilha e em múltiplos desejos insensatos e nocivos que precipitam os homens na ruína e na perdição. 10Porque a raiz de todos os males é a ganância do dinheiro. Arrastados por ele, muitos se desviaram da fé e se enredaram em muitas aflições. (1Timóteo 6)