Tag Archives: combate

One of Us.

One of Us (Um de Nós) é uma Iniciativa (legislativa) de Cidadania Europeia* (ECI-European Citizens’ Initiative) que tem como objectivo promover a protecção da vida humana desde a sua concepção(1), na Europa e dentro das competências da União Europeia, impedindo o financiamento de actividades que pressuponham a destruição de embriões humanos, em particular nas áreas de investigação, ajuda ao desenvolvimento e saúde pública, através de uma proibição concreta das políticas que destroem a vida no orçamento da UE(2).

Saiba mais sobre esta Iniciativa* e subscreva-a a partir da respectiva página oficial (aqui em português).

One of Us(3) é também, curiosamente, o título de uma – muito especial(4) – canção de Joan Osborne. A versão posta aqui em baixo está legendada em (bom) português do Brasil.

*Uma Iniciativa de Cidadania Europeia é uma proposta de lei/directiva europeia dependente apenas da aprovação pelo Parlamento Europeu.

(1) Não tenhas medo, Maria, continuou o anjo, porque Deus vai dar-te uma bênção maravilhosa! Muito em breve ficarás grávida e terás um menino, a quem chamarás Jesus. Será grande – será chamado Filho do Altíssimo. …
Lucas 1: 30-33

(2) For to us a child is born, to us a son is given, and the government will be on his shoulders. And he will be called Wonderful Counselor, Mighty God, Everlasting Father, Prince of Peace. Of the greatness of his government and peace there will be no end. …
Isaiah 9: 6-7

(3) E Aqui estou eu, com os filhos que Deus me deu. E visto que nós, seus filhos, somos seres humanos feitos de carne e de sangue, ele também se tornou carne e sangue; pois que só como ser humano ele poderia passar pela morte e assim esmagar a força daquele que tinha o poder da morte, que é o Diabo, libertando todos aqueles que tinham a sua vida inteiramente subjugada pelo medo da morte. …
Hebreus 2: 13-17

(4) Jesus answered: “Don’t you know me, Philip, even after I have been among you such a long time? Anyone who has seen me has seen the Father. How can you say, ‘Show us the Father’? Don’t you believe that I am in the Father, and that the Father is in me? The words I say to you I do not speak on my own authority. Rather, it is the Father, living in me, who is doing his work. …
John 14: 9-11

Advertisements

Plano C – O combate da Cidadania.

Ora vejamos:

O plano A (dos Alarves) falhou e deixou os cidadãos com as calças na mão. O plano B (dos Betinhos) falhou e vai deixar os cidadãos com as cuecas na mão. Parece que já não haverá nada a perder por experimentar o plano C… O que acham?

Vejam bem: do dia da poesia ao dia da greve geral.

Anda alguém
pela noite de breu à procura
e não há quem lhe queira valer,
e não há quem lhe queira valer.

Vejam bem
daquele homem a fraca figura
desbravando os caminhos do pão,
desbravando os caminhos do pão.

E se houver
uma praça de gente madura,
ninguém vem levantá-lo do chão,
ninguém vem levantá-lo do chão.

Portugueses: liberdade ou libertação?

Raio atinge a Dama LiberdadeJesus nunca usou a palavra obediência

(…) A pregação e as exigências de Cristo não pressupõem uma ordem estabelecida (establishment). (…) A palavra obediência (e derivadas) que ocorre 87 vezes* no Novo Testamento, enquanto podemos julgar, nunca foi usada por Cristo. (…) Obediência para ele não é cumprimento de ordens, mas decisão firme para aquilo que Deus exige dentro de uma situação concreta. (…) Obediência é ter os olhos abertos para a situação, consiste em decidir-se  e arriscar-se na aventura de responder a Deus que fala hoje e agora. (…)

Boff, Leonardo, Jesus Cristo Libertador, Editora Vozes, 12.ª edição, Petrópolis, 1988, p. 69

*74 vezes, na versão de João Ferreira de Almeida.

 

Os novos poderes pedreiros financeiros.

Banco Português de Gestão.

.Sociedades Secretas - DVD

Accionistas principais:

– (grande loja) Fundação Oriente;
CONSELHO DE CURADORES
Prof. Doutor João José Fraústo da Silva
Presidente
Dr. Manuel Carvalho Fernandes
Dr. Francisco Murteira Nabo
Dr. Stanley Ho

CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO
Dr. Carlos Augusto Pulido Valente Monjardino
Presidente

– S.T.D.P. – Sociedade Transnacional de Desenvolvimento de Participações (S.G.P.S.), S.A.;
Membros do Conselho de Administração (cf. aqui)
STANLEY HUNG SUN HO – PRESIDENTE

– (grande tríade) Fundação Stanley Ho;

– (este) Carlos A.P.V. Monjardino.

.

Nota 1: Aqueles, espertos ambiciosos, que pensam que o dinheiro é todo igual e que a honestidade, ou a falta dela, na sua origem não conta, verão  daqui a algum tempo como estão enganados.

Nota 2: Como se pode ver, os tubarões originários das zonas tropicais, como o tubarão-tigre (“um predador perigoso, conhecido por se alimentar de um reportório notável de coisas“) e o tubarão-touro (“comem até tubarões da mesma espécie“) são muito mais perigosos dos que os seus congéneres das zonas temperadas, como o tubarão-branco (“diferem muito do que popularmente se lhes chama, máquinas de matar, segundo a lenda urbana“).

Caminhada. (2)

Faz hoje 2 anos que este blogue teve início.

(veja aqui o 1º postal, ainda no 1º alojamento)

 

Deserto

clique na imagem para ver a sua origem

 

Caminhando com Cristo no deserto, porque o deserto é o lugar e o tempo da grande luta espiritual de Jesus contra o mal, contra o inimigo de Deus e do Homem que não vem senão para roubar, matar e destruir (João 10, 10).

Roubar a esperança, matar as crianças e destruir o fruto do trabalho honesto: que bons servos do inimigo têm sido estes a quem o povo entregou o poder!

Não vos equivoqueis, porém, quanto aos motivos desta luta:

Pois, embora vivamos numa natureza frágil, não lutamos por motivos humanos. As armas do nosso combate não são de origem humana, mas, por Deus, são capazes de destruir fortalezas. Destruímos os sofismas e toda a altivez que se levanta contra o conhecimento de Deus e cativamos todo o pensamento para o conduzir à obediência a Cristo. (II Coríntios 10, 3 a 5)

Porque não é contra os seres humanos que temos de lutar, mas contra os Principados, as Autoridades, os Dominadores deste mundo de trevas, e contra os espíritos do mal que estão nos céus. (Efésios 6, 12)

 

Preparação para o combate. (2)

O espírito.

 

 

Capa de livro

Se nos esforçássemos por ficar firmes no combate, como soldados valentes, por certo veríamos descer sobre nós o socorro de Deus. Pois ele está sempre pronto a auxiliar os combatentes confiados em sua graça: Aquele que nos proporciona ocasiões de peleja para que logremos a vitória.

 

Preparação para o combate. (1)

A mente e o corpo.

.

.
.

A ironia do boicote à compra de combustíveis,

e a falácia da liberalização do preço dos ditos.

Nos últimos dias assistiu-se a uma movimentação dos consumidores no sentido de concertarem uma acção de boicote à aquisição de combustíveis em determinadas empresas revendedoras. Os blogues terão dado boa ajuda. Depois da onda passar (1,2,3,4) e da espuma começar a desfazer-se*, parece que o consenso se quedou na ideia de boicotar as aquisições de combustíveis na Galp durante período indeterminado (até ver, em português corrente).

boicote combustiveis

boicote galp

A iniciativa parece ser razoável, dado que os preços praticados por esta empresa são aparentemente tomados como referência por todas as outras. O Jardim no Deserto participa com muito gosto na divulgação desta campanha (até porque o seu autor já de há muito que tomou esta mesma decisão, para si e para todos aqueles que confiam nas suas escolhas), sem a atitude temerosa do JPG do Apdeites, mas também sem o excesso de optimismo que muitos outros aparentam ter. É preciso perceber que existem grandes limitações a esta acção.

Em primeiro lugar, é fundamental eliminar desta equação uma premissa falsa, ou, pelo menos, pouca esclarecida para grande conveniência do poder político. O preço dos combustíveis não é, nas actuais condições de mercado, um preço verdadeiramente livre (ou liberalizado, como dizem). Nem poderia ser. Porquê? Porque este é, nas condições actuais, um bem cujo consumo não pode ser substituído por outro. Isto torna rígido (ou inelástico) o crescimento da curva da procura, ou seja, qualquer variação no preço resulta numa variação nula ou quase nula na quantidade procurada.

O que as verdadeiras, mais sólidas, economias de tipo liberal (entre as quais não se conta, evidentemente, a portuguesa) têm vindo a procurar é tornar dinâmicos os preços do petróleo e seus subprodutos, recorrendo à armazenagem (as chamadas reservas estratégicas) e à tentativa de negociar no momento mais favorável – o que só é possível, ainda assim, se as quantidades oferecidas excederem num determinado momento as procuradas, coisa que parece já não ser possível.

Em segundo lugar, dada a inflexibilidade anteriormente referida e o facto da Galp deter a quase totalidade do fornecimento e distribuição ao retalho, os volumes totais comercializados pela empresa pouco variarão. Como a margem de comercialização do retalho é provavelmente a mais pequena das componentes do preço, tenho sérias dúvidas quanto à exactidão da estimativa das perdas diárias em 13 milhões de euros, avançada por alguns jornais.

*Assistiu-se a alguma discussão quanto à precedência da iniciativa nas caixas de comentários de alguns blogues.

Apelo à luta por melhor justiça social.

O cristão é pacífico e não explode. Ele não é simplesmente pacifista porque é capaz de combater.

(Paulo VI, 1968)
Em frente, soldados cristãos
Marchando como guerreiros,
Com a cruz de Jesus
Avançando na vanguarda
Os fundos infernos tremem
Sob os sonoros louvores.
Irmãos, levantai Vossa voz,
Cantai alto os santos hinos
.

Mas vinde sem ilusões. Aquele que vos chama é Cristo. O pobre mensageiro que aqui se Vos dirige é apenas um destroço, salvo pela Sua Graça admirável.

As armas do cristão10Finalmente, tornai-vos fortes no Senhor e na sua força poderosa.

11Revesti-vos da armadura de Deus, para terdes a capacidade de vos manterdes de pé contra as maquinações do diabo. 12Porque não é contra os seres humanos que temos de lutar, mas contra os Principados, as Autoridades, os Dominadores deste mundo de trevas, e contra os espíritos do mal que estão nos céus. 13Por isso, tomai a armadura de Deus, para que tenhais a capacidade de resistir no dia mau e, depois de tudo terdes feito, de vos manterdes firmes. …”