Tag Archives: china

O verdadeiro, o genuíno, o original negócio da China.

O Banco da China acabou de fazer um grande negócio da China: emprestou (o equivalente a) 800 milhões de euros à EDP sendo o “custo desta linha de financiamento” “de Libor três meses mais um prémio de 3,5 pontos percentuais”. O que corresponde, aproximadamente (cáculos feitos por mim, com base no valor da taxa Libor 3 meses entre 17 e 22 deste mês), a um juro anual de 4,1%. Isto apenas para os primeiros 3 meses, claro, pois a taxa Libor é bastante variável e atinge com facilidade valores equivalentes a mais de 4,5% ao ano. Se atingir este valor, os juros deste empréstimo passarão a ser de 8% – uma brutalidade. Quem contrata um empréstimo destes põe-se completamente nas mãos da banca, pois a taxa Libor é uma taxa totalmente definida pelos próprios bancos.

Mexia e Catroga já se haviam afirmado muito satisfeitos com este negócio no passado mês de Agosto.

Uma nova tragédia se prepara a Oriente.

Depois da explosão de instabilidade política no Norte de África e do seu avanço pelo Médio Oriente, uma nova e potencialmente mais mortífera tragédia se prepara no Extremo Oriente, mais precisamente na China.

China 2011 - 3.º ano de seca.BEIJING: Wide swathes of northern China are suffering through their worst drought in 60 years…
Some areas have gone 120 days without any significant rainfall, leaving more than five million hectares (12.4 million acres) of crops damaged…
In some areas, the earth is all cracked up and if rain does not fall in the next few weeks, the wheat that farmers sowed in autumn might not even germinate when the weather warms up.

(China’s drought could have serious global impact, 02 February 2011, Channel NewsAsia)

Após três anos seguidos de seca, parece iminente uma repetição da, ainda tão recente, Grande Fome – em todos os seus aspectos.

Sempre que os socialismos no poder violentam os povos com os seus planos visionários de “desenvolvimento e modernidade” milhares de pessoas sofrem, morrem, são destruídas.

Não há maneira de evitar considerar a ideia da impossibilidade do socialismo.

O ‘negócio da China’ da dívida portuguesa – e não só.

Taipan - a cobra mais venenosa do mundo.Ao ler este texto do Miguel Noronha (que julgo, talvez erradamente, ser esta pessoa) no blogue O Cachimbo de Magritte, veio-me espantosamente à memória uma passagem do romance de James Clavell, Taipan, lido há muitos anos, a qual acabei por encontrar após paciente pesquisa nocturna e passo a transcrever.


Porque é que perdemos tudo, hem? Pareceu-me um acordo simplesmente maravilhoso.
Porque estamos a lidar com chineses.
– Não entendo.
– … A primeira coisa que é preciso compreender: Há cinquenta séculos que os chineses chama à China o Reino de Meio… a terra que os deuses colocaram entre o céu que lhe fica por cima e a terra, por baixo. Por definição, o chinês é um ser de uma superioridade única. Todos eles crêem que qualquer outra pessoa, qualquer, é um bárbaro e nada conta. E que só eles detêm o direito, concedido por Deus, como única nação verdadeiramente civilizada, de governar a terra. …
…Os manchus acham que as nossas ideias, Cristianismo, Parlamento, voto, e acima de tudo a igualdade de todos perante a lei e o sistema de júri, são revolucionárias, perigosas e maléficas. Mas querem o nosso dinheiro.

(James Clavell, Taipan, Publicações Europa-América, vol. 1, p. 107-109)

Então, esta gente que manda pensa que a alternativa ao FMI/FEEF é ficar completamente dependente da China? Deviam ler mais e melhor*. Os voluntarismos de Vilar de Maçada e as espertezas de Boliqueime vão ficar muito caras às gerações futuras.

Ai, e tal, não se pode fazer nada… Desculpem, mas pode. Para começar, pode votar em pessoas diferentes já no próximo domingo.

*Bónus para quem “tem pouco tempo para ler” (a desculpa costumeira para quem tem pouca apetência para a leitura) – fica aqui um linque para  diversas versões do Taipan!, um joguinho homónimo do (e baseado no) referido romance, muito simples mas muito viciante; e, até há uma versão para jogar no i-phone.

O fim-de-semana em que Portugal foi vendido.

Ou, a esperteza de Boliqueime e o negócio da China.


Poucos parecem ter dado por isso mas, durante este fim de semana, de forma discreta, Portugal foi transformado em entreposto comercial chinês na Europa.

O negócio – que terá(?) sido iniciado em Julho de 2009 – foi concluído ontem, sábado 6 de Novembro de 2010, pelos presidentes da maxi-ditatorial República da China e da ex-soberana República Portuguesa.

O presidente português – que não tem quaisquer poderes para isso – vendeu uma parte da dívida pública de Portugal à China. O que terá dado como garantia não se sabe ao certo (irá saber-se alguma vez?) mas segundo alguns terá sido o complexo portuário-petrolífero de Sines.

Pacto de Mefistófeles com Fausto

Para além do p-zombie Silva, quantos mais estarão metidos neste mefistofélico negócio? Terão os portugueses consciência da gravidade do que se passou este fim de semana? E, já agora, onde se terão sumido os assanhados críticos dos primo-ministeriais negócios venezuelanos?

Oração: Senhor, tem piedade da gente de bem que vive ainda nesta lusa terra. Senhor, tem misericórdia deste povo e livra-o do mal, de todo o mal que o vem assolando e oprimindo. Senhor, conduz homens bons ao poder e dá a este povo a sabedoria de os escolher. Senhor, não os (nos) abandones apesar das suas (nossas) iniquidades.

Notícias relacionadas:

China pondera comprar dívida pública portuguesa
Nuno  Carregueiro, 28 Outubro 2010, Jornal de Negócios

Negócios da china em Portugal começam pela banca
por Cláudia Garcia, 06 de Novembro de 2010, jornal i

Presidente chinês garante: “O futuro é promissor”
por João Henriques, 07/11/2010, DN Economia

O líder do partido comunista chinês…

… esse cordeiro de coração doce, disse na semana passada:

“… «O Dalai Lama é um lobo vestido de monge, um diabo com cara humana mas coração de fera», afirmou ontem o líder do Partido Comunista Chinês no Tibete, Zhang Qingli. «Estamos envolvidos numa feroz batalha de fogo e sangue com a clique do Dalai Lama, uma luta de vida ou morte entre nós e o inimigo», afirmou ainda o mesmo responsável, naquele que foi um dos mais virulentos ataques contra o líder tibetano desde o início desta grave crise.

As autoridades chinesas (que, como todos sabem, são grandes defensoras da vida, da verdade e dos Direitos Humanos) têm repetido insistentemente que a situação em Lhasa está controlada e desmentem as notícias sobre o alastramento dos protestos às províncias vizinhas do Tibete. …” (Ricardo Ramos com agências / Lusa, Tibete: China dramatiza situação – Luta de vida ou morte, 20 Março 2008 – 00.30h, no Correio da Manhã)

Tibetan people genocid

O descaramento desta gente só é igualada pela sua maldade.