Tag Archives: bancos

Lembram-se da ‘bolha imobiliária’ que ‘nunca existiu’ em Portugal?

'Bolha' imobiliária em PortugalBem, é só para avisar que está quase, quase, a rebentar.

Investimento no imobiliário português cai 40% em 2012
13/02/13, OJE

Bancos têm 20 mil casas novas para venda
01 Abril 2013, Jornal de Negócios Online

Os bancos têm milhões e milhões de euros presos a imobiliário que não cessa de desvalorizar. O que resulta disto?

Estado pode ter de voltar a injectar dinheiro na banca, diz Moody’s
11/04/13, OJE/Lusa

Mas, o Estado já não tem capacidade para mais resgates. O que irá acontecer, então, provavelmente?

Chipre representa novo modelo de resgate dos bancos, diz o presidente do Eurogrupo
25/03/2013, PÚBLICO

Ulrich: “O que aconteceu aos bancos no Chipre pode acontecer em Portugal”
Fernando Ulrich, Natacha Cardoso, 16/04/2013, Dinheiro Vivo

Depois não digam que não foram avisados.

Nota: Há até quem venha avisando, fundamentadamente, de há mais tempo a esta parte.

Advertisements

O síndrome de Nicósia.

O rapto de Europa na moeda grega de 2 eurosTal como no aconteceu com as vítimas de Estocolmo, os países CGPEI (Chipre, Grécia, Portugal, Espanha e Itália) estão sequestrados pela aliança de três poderes que os gere de facto, designada por “troika” (FMI – Fundo Monetário Internacional, BCE – Banco Central Europeu e CE – Comissão Europeia), e não cessam, ainda assim, de tentar agradar-lhe e identificar-se com esses poderes.

Após o que os referidos poderes forçaram que acontecesse em Chipre, há uma série de questões que os portugueses deveriam colocar-se.

1. Estará Portugal falido?
Bom, essa parece ser a opinião generalizada, dado que quanto a isso estarão de acordo os extremos do espectro político português.

Pelas minhas contas estamos falidos

A explicação da dívida e de porque não a vamos pagar

2. Mas, opiniões políticas à parte, haverá dados económicos que confirmem essa falência nacional?
Pois parece que sim. Vejam no artigo cujo linque está colocado a seguir.
(Não tenho tempo para traduzir, mas isso não importa porque o mais importante mesmo é olhar os gráficos e ver a linha, sempre descendente, que corresponde a Portugal)

A Graphical Walk-Through Of An ‘Un-Fixed’ Europe

3. Estarão as suas poupanças seguras nos bancos portugueses?
Bem, em vez de eu lhe estar a dizer, porque não avalia por si mesmo com base na breve recolha noticiosa (das muitas possíveis) cujos linques ponho aí em baixo?

Banco Popular perde 2.461 milhões em 2012

Lucro do BBVA diminui 44,2% devido a provisões para o imobiliário

Lucro do CaixaBank cai 78,2% com dotações e provisões

Depois não digam que não foram avisados.

Levar os bancos à justiça.

Por esta altura tornou-se óbvio que Portugal é incapaz de seguir o exemplo da Islândia relativamente à dívida da banca e do Estado. Não que os cidadãos tenham deixado de manifestar já, com toda a clareza, a sua recusa de seguir a via actual, mas por falta de coragem dos políticos eleitos e por falta de competência das instituições democráticas. Neste momento, em que a única forma de pressão dos cidadãos sobre os seus representates começa a ser a violência, julgo útil trazer ao conhecimento de todos vós uma outra forma de luta encontrada pelos nossos irmãos irlandeses. Haverá em Portugal, certamente, pelo menos um escritório de advogados disposto a apoiar os cidadãos nesta via.

Já vos oiço, preocupados :shock:, a perguntar: Mas, a banca portuguesa aguenta? Ai aguenta, aguenta! E, se não aguentar – com um escamartilhão! – o governo lá está já preparado para a ajudar na refundação.

Só podem ser masoquistas!

(Digo isto dos portugueses porque me recuso a acreditar que sejam estúpidos.)

Então, os bancos tratam-nos assim e eles continuam a entregar-se-lhes?

Deixam-se maltratar por estes bancos manhosos, mal geridos e que não cumprem a lei?

Pois, se pensar, até uma criança de 12 anos percebe:

O resgate financeiro à banca explicado às crianças

Sem tempo para grandes escritas fica aqui explicado às criancinhas com música, digo, com recurso a meios audiovisuais, o sistema de resgate financeiro aos bancos em Portugal, Espanha, Chipre, Itália e pela Europa em geral.

Foi você que pediu previu uma conta congelada?

Quem puder ler, leia.

No passado domingo, dia 13 de Maio de 2012, Paul Krugman, o laureado economista que previu – e se fartou de avisar sobre – a corrente crise financeira e consequente recessão económica, escreveu um artigo com o título Eurodämmerung (tradução: euroanoitecer) no seu blogue de opinião pessoal no New York Times. (Se tem dificulade em entender o inglês, pode ler basicamente a mesma coisa em italiano aqui)

Dois dias depois, anteontem terça-feira, dia 15 de Maio de 2012, o Jornal de Negócios trouxe à estampa uma notícia  com o título Gregos retiraram 700 milhões de euros de depósitos só esta segunda-feira .

Quem tiver entendimento, entenda.

Other People’s Money and How the Bankers Use It.

Uma leitura muito educativa e a propósito deste tempo “efemístico” – infelizmente só disponível em inglês.

Clique na imagem para aceder à leitura do livro completo na página da Faculdade de Direito Louis Brandeis da Universidade de Louisville.

BRANDEIS, Louis, Other People's Money and How the Bankers Use It, 1914

Linque alternativo para leitura integral da mesma obra.

É só para recordar que os bancos portugueses…

Governador do BdP (a pensar no seu ordenado)não só passaram também nos tais testes de stresse, como ainda “revelaram um elevado grau de resistência ao cenário adverso”.

.

Os portugueses e portuguesas podem ir dormir descansados e confiantes, lançando de passagem uma grande gargalhada irónica* aos pessimistas que escrevem coisas como esta:

… The PIIGGS as they have come to be known (Portugal, Ireland, Italy, Greece, Great Britain, and Spain) are all broke. The government is broke and the people are broke. The “solution” is to print money. The result of printing money will be inflation. The result of inflation will be higher interest rates. The result of higher interest rates will be more bankruptcies. This is economics 101. The governments know this and are responsible for it. They simply seek to defer, slow, lengthen, and in the end worsen the collapse. …
(Irish EU bailout spooks bank holders; banks lose 17pc deposits amid bank run, November 20th, 2010, The Coming Depression)
…….
*A ironia é uma arma terrivelmente precisa e eficaz: só atinge aqueles a quem é dirigida.

Ainda bem que os bancos da Irlanda…

Bank of Irelandpassaram nos testes de stresse.

.

.

.

Doutro modo, os irlandeses ainda eram capazes de vir a ter problemas sérios…

A crise do imobiliário está agora definitivamente instalada em Portugal.

Subprime sequel - Consequências do subprimeHá três anos atrás aconteceu nos EUA, e as consequências estão muito bem descritas no texto que transcrevo a seguir (mas não traduzo por falta de tempo):

… “You see all these expensive-looking houses ?  They are in fact poorly built, cookie-cutter houses, way over-priced, bought with money out of nowhere (…) by people living in a dream, from paycheck to paycheck, in a false paradise of high credit, materialism and excessive spending. If they lose their jobs, as many are doing, they will be lucky to get half their money back on their houses.
… But the lost jobs will not come back, so there is no real basis for a return to prosperity. (…) There is a kind of Government aid which can do more harm than good to the people it is supposed to help, by trapping them in their dependence on it…
… “The economy is hanging on a thread, yet most people think everything will be fine in a year’s time. They think it is lovely if the Government just prints or digitalizes more and more money. Five per cent of the people, or less, understand just how grave the situation is, and less than one per cent see religion as playing any part in their country’s downfall. People look only for band-aids, not for deep or real solutions. …

(Rampant Unreality, posted August 29, 2010 on Thought and Action blog)

Pois bem! As instituições financeiras portuguesas (e outras na Europa, como se mostrará numa das peças noticiosas que irão ser apontadas a seguir), apenas conseguiram adiar – ou iludir por algum tempo? – a crise no imobiliário.
Agora, não é apenas uma crise de créditos não cobráveis, mas uma completa estagnação do sector motivada pelo arrefecimento (quase congelamento) da Economia e uma concentração insustentável de património não negociável, a não ser com perdas. Não esquecer que são os bancos e o Estado os proprietários da maior parte do imobiliário neste país. É que, em em matéria de problemas financeiros (dívidas, investimentos em depreciação, etc), adiar é sempre sinónimo de agravar – e não é preciso ser nenhum génio da Economia para saber isto.
Crise agravada também, e muito, pelo saque do Estado sobre o imobiliário feito através da péssima legislação produzida entretanto pelos governos socialistas: o aumento brutal da carga fiscal (IMI), a criação de mais custos e taxas (a seu favor, claro) no arrendamentos urbanos (NRAU), a concorrência desleal da Administração Fiscal no mercado do imobiliário (leilões e mais leilões de imóveis hipotecados), etc. – questões que foram sendo referidas aqui, neste blogue, ao longo dos últimos 3 anos, por diversas ocasiões.

Crise: casas já não se vendem como vendiam
Filipa Serejo, TVI, 2010-08-27 (Agência Financeira)

Portugal tem à venda mais de 381 mil imóveis
Elisabete Felismino, 28/08/10, Diário Económico

Países nórdicos deverão enfrentar crise no sector imobiliário
19 Agosto 2010, Diogo Cavaleiro, Jornal de Negócios

Só os tolos, conduzidos pelos optimistas incompetentes, ainda acham que dentro de pouco tempo a crise está debelada.
Cegos conduzidos por outros cegos.