Tag Archives: acordo

Graça Moura (d)espoleta discussão sobre o (des)Acordo Ortográfico.

O novo presidente do Centro Cultural de Belém, apoiado pelo seu Conselho de Administração, conseguiu através de uma simples circular interna dando instruções aos serviços para não usarem o Acordo Ortográfico (AO), instantaneamente, aquilo que um movimento de cidadania com centenas de pessoas não havia conseguido em 3 anos de esforço: lançar a discussão pública alargada sobre a aberração linguística, legislativa e cultural a que chamaram Novo Acordo Ortográfico. Mais uma prova de que Portugal é uma falsa democracia e os portugueses sabem-no muito bem.

Os primeiros frutos desta discussão pública são já muito elucidativos. Em termos políticos, toda a bem-pensante (e bem-falante) pseudoesquerda portuguesa – que vem apelando à desobediência civil (e mesmo à insurgência violenta) desde que o presente governo tomou as primeiras medidas de restrição económica – saíu em defesa do cumprimento da resolução da Assembleia da República que impôs a aplicação do AO, acusando Graça Moura de crimideia num extraordinário exercício de duplipensar.

Por favor, dêem o vosso apoio a esta Iniciativa Legislativa de Cidadãos que pretende suspender a entrada em vigor do AO90 “para que sejam elaborados estudos complementares que atestem a sua viabilidade económica, o seu impacto social e a sua adequação ao contexto histórico, nacional e patrimonial em que se insere.” (artigo 1.º)

E, não são apenas alguns ‘doidos’ portugueses que lutam pela suspensão legal desta Aberração Ortográfica: os brasileiros também o fazem, usando instrumentos de democracia que não existem em Portugal.

A (última) Oportunidade para não vir a dar em doido com a escrita.

Por favor, leia com atenção o pequeno texto seguinte nas duas formulações apresentadas:

1. No tocante à corrução e aspectos conexos, perfilha-se a conceção de que somente após recepção de mais elementos informativos de fato e de direito se poderá adotar medidas com carácter permanente neste setor.

2. No tocante à corrupção e aspetos conexos, perfilha-se a concepção de que somente após a receção de mais elementos informativos de facto e de direito se poderá adotar medidas com caráter permanente neste sector.

Acha que a frase está correcta ou incorrectamente escrita segundo o novo Acordo Ortográfico? São quatro as hipóteses possíveis: a) A frase está incorrectamente escrita em 1 e 2; b) A frase está correctamente escrita em em 1 e incorrectamente em 2; c) A frase está correcta em 2 e incorrecta em 1; d) A frase está correctamente escrita em ambas as formulações.

Não sei que alínea escolheu, mas provavelmente não terá sido a d). Pois é essa exactamente a hipótese que está certa: – A frase está correctamente escrita em ambas as formulações pois as “palavras corrupção, aspecto, concepção, recepção, facto, carácter e sector contam-se entre aquelas cuja grafia, com c ou p, é facultativa, segundo a al. c) da Base IV do Acordo” (cf. aqui).

Isto é ou não é coisa de doidos? Pois esta loucura começou este ano a ser ensinada nas escolas deste país.

Pode ainda tentar evitar-se isto? Pode, mas esta é mesmo a (sua) última oportunidade. Basta ir ali acima ao logotipo que está na coluna lateral esquerda e clicar em “assinar” para descarregar um formulário bem pequenino (em pdf). Depois, é só imprimi-lo, preencher, meter dentro de um envelope e enviar pelo correio para o endereço que está indicado no próprio formulário. Se preferir, veja aqui o processo todo explicado de como fazer (até há outras hipóteses de envio do fomulário para quem não queira usar os CTT).

A Língua é sua, é nossa, é do povo, repito, É DO POVO, não dos idiotas que fizeram esta aberração a que chamaram depois Acordo Ortográfico… Aliás, acordo só se foi lá entre eles, porque aos portugueses nunca ninguém perguntou se estavam de acordo – com este, como com tantos outros “Acordos” feitos em seu nome.

DESTA VEZ O POVO PODE OPOR-SE. ENTÃO OPONHA-SE!

O governo e o FMI chegaram finalmente a acordo.

.
.

Os resultados preliminares da aplicação do ‘Acôrrdo Orrtôgráfico’.

EB23 Paredes - ficha de português em brasileiro
Clique na imagem para vê-la maior.
.
Disclaimer: Este corpus delicti só foi publicado neste blogue após confirmada aqui, em comentário do autor, a recepção de “o original do teste, em papel e preenchido pela aluna” (fazendo uso das suas próprias palavras porque a mim me ficaram a faltar).

Acordo Ortográfico proporciona mais um negócio ‘cor-de-rosa’.

Lince e gato amigos.… vou hoje falar do tal negócio que sempre veio à luz do dia e relativo ao polémico Acordo Ortográfico. …
A quem interessa então a ditatorial legislação e universalização do AO? Aqui cheira a negócio extra-linguístico, diremos logo. …
“… O Parlamento vai aplicar o novo Acordo Ortográfico a 1 de Janeiro de 2012, adoptando o Vocabulário Ortográfico do Português (VOP) do ILTEC- Instituto de Linguística Teórica e Computacional e, como suporte informático, irá utilizar o conversor Lince, na sequência da aprovação por unanimidade, ontem, de uma proposta de Jaime Gama. O Governo também já os tinha escolhido na passada semana. A qualidade do conversor Lince e do vocabulário foi criticada pela empresa concorrente Priberam, que aponta erros ortográficos tanto na conversão da actual para a nova grafia como no VOP do ILTEC. O administrador Carlos Amaral questiona mesmo quem e como avaliou o Lince e a razão para o Governo decidir adoptar oficialmente um programa informático em detrimento de outros, também gratuitos, já existentes no mercado. (…)”
… sempre havia um daqueles acordos de café e de atrás da orelha em que os actuais sinistros governantes se tornaram especialistas.
“… O Lince não é resultado de subcontratação mas de parceria. O ILTEC foi responsável pela definição das características, dados linguísticos, especificações das regras e lógica da conversão do Lince. A KnowledgeWorks assegurou a tradução no desenvolvimento do sistema do interface…”
. (transcrição parcial do texto publicado aqui)

Notas:
1. A empresa amiga(!) que beneficia da tal parceria é a KnowledgeWorks.
2. O Lince não é um dicionário nem um programa de aprendizagem da Língua Portuguesa. É designado como um “conversor”, o que significa na prática que é um tradutor de Português correcto para “português correto”. Triste país o que precisa de traduzir os documentos oficiais da sua Língua para uma novilíngua imposta.
3. Tudo isto acontece porque os portugueses permitem – gostam de ser mandados. Se não fosse assim, esta Iniciativa Legislativa de Cidadãos Contra o Acordo Ortográfico já teria as 35 mil assinaturas necessárias para dar entrada no Parlamento – para contrariar mais esta negociata. E, ainda pode vir a entrar, se você que me lê quiser obrigar-se ao pequeno esforço de colaborar com a sua assinatura no impresso que descarregar daqui (ficheiro pdf  com somente 83 Kb), enviando-o depois pelo correio para a morada que lá consta.

A Iniciativa Legislativa de Cidadãos contra o Acordo Ortográfico.(3)

Termina na próxima segunda-feira, 15 de Novembro de 2010, o prazo para subscrever a ILC contra o Acordo Ortográfico.

.

Um último aviso e apelo. Se acha que escrever assim:

De fato o fato do espetador assentava-lhe muito bem. Quando chegou à receção da suntuosa casa de espetáculos a rececionista não se conteve sem lhe dizer:
– Ó Antônio a atriz que engraçou contigo hoje não tira os olhos de ti.
Ele sorriu e num ato irrefletido deu uma gargalhada que se ouviu na seção ao lado que ficava no mesmo setor onde o diretor de espetáculos recebia os espetadores, e não se conteve sem exclamar:

lhe convém, então não, repito, NÃO subscreva a ILC contra este aborto acordo ortográfico que lhe querem impor. Se, pelo contrário, prefere continuara a escrever assim:

De facto o fato do espectador assentava-lhe muito bem. Quando chegou à recepção da sumptuosa casa de espectáculos, a recepcionista não se conteve sem lhe dizer:
– Ó António a actriz que engraçou contigo hoje não tira os olhos de ti.
Ele sorriu, e num acto irreflectido deu uma gargalhada que se ouviu na secção ao lado que ficava no mesmo sector onde o director de espectáculos recebia os espectadores, e não se conteve sem exclamar:

então, faça a si mesmo o favor de ir imediatamente assinar a coisa.

A Iniciativa Legislativa de Cidadãos contra o Acordo Ortográfico.(2)

Logo ILC contra o AOLogo ILC contra o AOLogo ILC contra o AO

Atendendo ao que escrevia aqui o João Pedro Graça (supondo que seja ele a escrever) no passado mês de Junho, o número de assinaturas recolhido até aquela data rondaria somente as 3 mil e tal, das 35 mil necessárias para poder levar à votação no Parlamento a ILC que pretende suspender o aberrante Acordo Ortográfico imposto aos portugueses sem discussão pública.

Ora, isto causa-me uma enorme perplexidade. E levanta algumas perguntas que me incomodam:

Porque não enviaram ainda a sua assinatura na ILC as mais de 110 mil pessoas signatárias deste manifesto/petição anterior, que pretendia exactamente a mesma coisa?

Porque não assinaram já a ILC os mais de 76 mil membros  da Causa “Não queremos o Acordo Ortográfico” posta a correr no Facebook pelo João Pedro?

Por favor, alguém mais perspicaz do que eu pode explicar-me esta ocorrência que não me faz qualquer sentido?

Nota: Demora no máximo 10 minutos a descarregar, imprimir e preencher a folha de recolha de assinaturas. Custa no máximo o preço de 1 selo de correio enviar a folha preenchida para a morada de recolha – isto se não quiser digitalizá-la, após o preenchimento, e enviá-la em anexo a um e-mail para o endereço de recolha.

Sabe que o povo também pode fazer leis? Iniciativa Legislativa de Cidadãos.

Participe: esta é uma rara oportunidade.

.
Logo ILC contra AO black (half up)Logo ILC contra AO black (half down)
.
É muito simples subscrever a ILC:

1º. Leia o texto da proposta de Lei clicando sobre a palavra LER na imagem acima.
2º. Descarregue o impresso de subscrição clicando sobre a palavra ASSINAR na mesma imagem.
3º. Preencha e assine o impresso de acordo com as instruções nele constantes.
4º. Envie o impresso preenchido pelo correio para o endereço lá indicado.

Nos termos da Lei da Iniciativa Legislativa dos Cidadãos não são permitidas assinaturas electrónicas e é necessário, para além da assinatura em papel, indicar nome completo, o número de identificação (B.I. ou Cartão de Cidadão) e também o número de Eleitor e a Freguesia e o Concelho onde se recenseou.
Se não souber o seu n.º de Eleitor ou os seus dados de recenseamento, aceda ao formulário do M.A.I. (aqui) e indique o seu nome ou Número de Identificação e data de nascimento.

.
Se gostou da imagem (com os  linques) que se encontra no início deste post, ou de alguma das que estão publicadas a seguir a este texto, contacte-me para o meu e-mail (zedeportugal@iol.pt) indicando a sua preferência em termos de cores e de tamanho (em pixels) e eu lhe enviarei na resposta o código html respectivo, com as imagens “optimizadas para a web” para colocar no seu sítio ou blogue.
Se copiar as imagens aqui publicadas, como irá verificar, elas não estão optimizadas e ficarão com um quadrado de fundo negro circunscrito ao círculo do logótipo propriamente dito.
Atenção: Embora eu, na qualidade de autor, forneça a imagem gratuitamente a pedido, ela está sujeita a copyright e não pode ser copiada e utilizada sem minha expressa autorização.
.
Logo ILC contra AO (dgrey)
Logo ILC contra AO (white)
.

Iniciativa Legislativa de Cidadãos contra o Acordo Ortográfico.(1)

2010: Português torna-se língua universal por decreto do governo socialista. Porreiro, pá!

.

Livro: Desacordo Ortográfico - capaA escritora Ana Maria Magalhães apresentou em 23 de Março passado, em Mértola, um livro escrito em conjunto com a actual Ministra da Educação, Isabel Alçada, sobre o qual esclareceu:
“Relativamente à utilização das regras do novo Acordo Ortográfico a decisão não é das autoras, mas sim da editora”, tendo acrescentado: “nós escrevemos como sempre, quando se tornar universal teremos de nos sujeitar”. (Lusa, 23.03.10)
Pois sim, Senhora Ministra, nós também “escrevemos como sempre”. E não apenas “escrevemos como sempre” como continuaremos para sempre a escrever da mesma forma. Aliás, o que mais se vê por aí, Senhora Ministra, é gente a escrever “como sempre”; parece que há uns quantos que bem se esforçam por passar a escrever “como nunca”, pois com certeza, ele há gostos para tudo, mas o facto é que nem mesmo esses poucos, se bem que esforçados, conseguem escrever segundo “novas regras” que ninguém entende.
(…)
“Quando se tornar universal”, Senhora Ministra? Mal que lhe perguntemos, e com o devido respeito, o que pretendia Vossa Excelência dizer com isso? Algum “lapsus linguae” terá sido, com certeza; é natural, é humano, acontece a todos, até aos melhores dos melhores. A Língua Portuguesa é universal desde pelo menos o século XVI, como sabemos, e portanto não haverá nessa universalidade nenhum “quando” porque… ela já o é há muito tempo.
E, a propósito, Senhora Ministra: “sujeitar”? Mas como “sujeitar”? O que vem a ser isso de “sujeitar”? Quem, nós?
Não, Senhora Ministra. Nós não nos sujeitaremos.
(Acordo Ortográfico – Não, Senhora Ministra! por João Pedro Graça*, 25 Março 2010, Free Zone – revista online)

*João Pedro Graça é coordenador do movimento ILC (Iniciativa Legislativa de Cidadãos) contra o Acordo Ortográfico, que pode ser consultado em http://apdeites2.cedilha.net e está também no Facebook.

Iniciativa Legislativa dos cidadãos – II

Iniciativa legislativa de Cidadãos contra o Acordo Ortográfico:

ILC contra o AO – press release

.

Leia também os textos relacionados:

Acordo Ortográfico: o que está em causa, no essencial

AC/DC

Participe aqui:

Não queremos o Acordo Ortográfico!

Esta é uma iniciativa do João Pedro Graça (JPG), autor do blogue Apdeites.