Tag Archives: aborto

Fazer um memorial às crianças mortas por aborto em Portugal.

Apelo à criação de um grande movimento cívico para que este Natal tão triste para tantos portugueses possa ser recordado como o da compaixão.

Continue reading

Advertisements

Lucrando com a matança dos inocentes.

O comércio da prestação dos cuidados de saúde:

«Hospitais empurram aborto para o privado» – Correio da Manhã
27-05-2011 (A Bola)

A indústria farmacêutica:

Jovem de 16 anos morre após aborto com medicamentos
20 Maio 2011 (DN Portugal)

HipocrisiaComemora-se hoje em Portugal, como em muitos outros países do mundo, o Dia da Criança. De forma muito politicamente correcta, multiplicam-se as iniciativas da parte de instituições dirigidas por gente que defende a liberalização do aborto, muito frequentadas por pais que “educam” os filhos recorrendo a “manuais de instruções”.

A hipocrisia é o que resta aos que não têm virtudes, ideias e sentimentos.

Cidadãos novamente a lutar pela revogação da lei do aborto.

Uma nova petição: clique aqui ou na imagem em baixo para aceder.


Petição para alterar a actual lei do aborto

Bem-hajam aqueles que persistem no bem.

«Em certa cidade, havia um juiz que não temia a Deus nem respeitava os homens. Naquela cidade vivia também uma viúva que ia ter com ele e lhe dizia: ‘Faz-me justiça contra o meu adversário.’ Durante muito tempo, o juiz recusou-se a atendê-la; mas, um dia, disse consigo: ‘Embora eu não tema a Deus nem respeite os homens, contudo, já que esta viúva me incomoda, vou fazer-lhe justiça, para que me deixe de vez e não volte a importunar-me.’»
Lucas 18, 2-5

Cobardes assassinos governos socialistas.

Orcs uruk-haiO governo espanhol (…) proclama o “aborto livre” até às 14 semanas, e aprova uma lei que, entre outros detalhes, — e aqui está a grande novidade, o novo avanço civilizacional do mundo cor-de-rosa de Zapatero — permite a uma adolescente, com 16 ou 17 anos, abortar sem informar os pais da sua situação.
(ler tudo aqui, no Insurgente)

A cobardia é a mãe da crueldade.
(Montaigne)

Aborto: genocídio da nação, suicídio económico.

… O envelhecimento da população tem consequências directas quer a nível social quer a nível económico, uma vez que os níveis correspondentes às idades mais produtivas economicamente começam a ser insuficientes para manter as populações dependentes. …
(Estrutura Etária da População Portuguesa 1991-2001, Estudos sobre os Concelhos/Regiões, 10 Março 2004, Marktest)

 

Piramide etaria 1960-98

 

Piramide etaria 1996-06

 

Menos jovens e uma taxa de natalidade a rondar 1 por cento. Menos 20 mil pessoas com idade de ingressar no mercado de trabalho. E este é só o cenário mais optimista. …
(Portugal: pirâmide etária cada vez mais envelhecida, Diário Digital/LUSA, 13/2/2007, Performance)

Pela primeira nesta década, o número de óbitos excedeu o dos nascimentos em 2007, tendo morrido 103.512 pessoas e nascido 102.492, segundos os dados estatísticos do INE hoje divulgados. …
(Portugal está mais velho, Luísa Meireles, 11 de Set de 2008, Expresso)

Ao definir (a) sua política demográfica o governo tem duas opções: estimular ou dificultar novos nascimentos. Medidas como complementação salarial para auxílio aos pais que têm mais filhos ou aumento de impostos para os jovens de uma certa idade que ainda não tenham filhos, podem ser chamadas natalistas, pois estimulam o aumento da taxa de natalidade. Por outro lado, quando o governo sobretaxa o imposto para pais que têm mais filhos ou desenvolve políticas directas de controle da natalidade como  a liberação do aborto ou distribuição de anticoncepcionais, ele está optando por uma política anti-natalista. (Demografia, na Wikipedia)

O governo português actual tem, claramente, uma política anti-natalidade. O governo português actual deveria defender o futuro da Nação portuguesa e faz exactamente o oposto: hipoteca o futuro do Povo que o elegeu e, promovendo o seu desaparecimento, conduzirá à extinção da sua Cultura e da sua Singularidade.

Sem fazer qualquer recurso a qualquer argumento sociológico, numa mera e crua apreciação biológica e ecológica, o governo português actual conduz a nação portuguesa para a sua própria extinção.

Está mais que na hora deste Povo acordar e castigar aqueles que o atraiçoam. Está mais que na hora de contrariar esta politica de extinção e desrespeito pela Vida, começando já por assinar e divulgar esta petição:

 

Pela Vida

 

Apelo a todos os que visitam este blogue para que participem nesta causa, assinando e divulgando de todas as formas possíveis esta petição. São necessárias (apenas) 4000 assinaturas.

Nota: A petição contra o novo acordo ortográfico tem, neste momento (e ainda bem!), 98074 assinaturas.

“Apesar de tudo isto, a propaganda de que vivemos num mundo horrível tem tido sucesso. Abram os olhos e vejam como é belo o mundo, e como temos sorte, nós, os que estamos vivos!” (Popper, Karl, Unended Quest – an Intellectual Autobiography, Routledge editors, 2006).

 

Não há causa maior que a da Vida.

A palavra natal (do latim natalis) significa precisamente nascer.

Nascer

O Natal é a celebração do nascimento de um menino que viria a chamar-se Jesus. Um nascimento improvável, quase impossível… A mãe, Maria, engravidou fora do casamento – razão que hoje facilmente se invoca para justificar o aborto. Na hora de nascer, o único lugar possível era um estábulo, na companhia dos animais. O Homem que mudou o mundo e a História teria agora, à luz dos modernos “princípios humanitários”, muita dificuldade em nascer assim – pelo menos sem a intervenção sobrenatural do Seu divino Pai.

Neste Natal vamos lutar para que fazer um aborto não seja um facto sem importância, equiparável a ir ao dentista extrair um dente, por exemplo.

A petição seguinte precisa da sua assinatura para poder ser levada ao Parlamento. (clique na imagem)

Pela Vida

Por favor, assine-a já hoje e ajude na sua divulgação conforme puder.

Haverá, certamente, 4000 boas almas que querem participar nesta causa.

 

Vamos fazer de 2009 o ano da luta pela Vida.

Sem o direito de viver, nada faz sentido. De que serviria tudo o que foi construído, todo o humano esforço, todo o saber e todo o avanço civilizacional, se não pudéssemos sequer ter podido nascer?

Usem-se os argumentos que se usarem, façam-se as leis que se fizerem, matar um ser indefeso e dependente de nós é, foi e será sempre uma crueldade. Autorizar a morte dos bebés em gestação através de uma lei não passa da ampliação, a uma escala nunca vista, do decreto de Herodes para a matança dos inocentes há 2000 anos atrás.

Deixa-Me Viver,Mamã – Let Me Live, mommy.

Um apelo profundo pelas crianças completamente indefesas que ainda não sabem se nascerão.

Here I am, your little child. Mommy, can you hear my voice?
Can you feel my heart beating, beating next to yours?
Mommy, don’t you love me, don’t you want me? Don’t let them take me from you.
Mommy I know you’re scared. Trust me, I’m scared too. Please tell me that I’ll be okay. Mommy, don’t you understand that this life is the one chance I get?

Estou aqui, o teu filhinho. Mamã, consegues ouvir-me?
Sentes o meu coração a bater, a bater junto ao teu?
Mamã, não gostas de mim, não me queres? Não deixes que eles me tirem de ti.
Mamã eu sei que tens medo. Acredita, eu também tenho. Por favor diz-me que eu vou ficar bem. Mamã, não percebes que esta é a minha única oportunidade de viver?

~*chorus*~
Is there anyone listening to me? Why do I feel so alone?
I just want to be wanted, to be loved. Won’t you love me!
God, you say that you hear the cry of the broken-hearted.
Please God, grant me this one wish: I want to live.

~*coro*~
Alguém me ouve? Porque me sinto tão sozinho?
Eu so desejo ser desejado, ser amado. Não queres amar-me!
Deus, tu dizes que ouves o choro dos angustiados.
Por favor Deus, concede-me este desejo: Eu quero viver.

Here I am, your little girl. God, can you hear my voice?
Why did this have to happen to me? I’m not that kind of girl.
I can always get pregnant again, but not now, not like this. I can’t bear the shame.
I just want this to disappear, but I don’t want to give up my child.
What should I do, I’m still so young, I can’t be a mom! God, what can I do?!

Aqui estou, a tua filhinha. Deus, consegues ouvir-me?
Porque que tinha que me acontecer isto? Eu não sou uma rapariga qualquer. Posso sempre engravidar outra vez, mas agora não, assim não. Não consigo suportar a vergonha.
Só quero desaparecer, mas não quero desistir do meu filho.
O que devo fazer, ainda sou tão nova, não posso ser mãe! Deus, o que posso fazer?!

~*chorus*~

~*coro*~

Mommy, please don’t do this. I’m real, I’m alive, this is killing me.
Please say that you want me cause if you don’t, then nobody will.
Mommy, God chose me to love you, please don’t reject me.
I promise we can make it through, you and I.
So won’t you save me cause you hold my life in your hands.

Mamã, peço-te que não faças isto. Eu sou verdadeiro, estou vivo, isto está a matar-me.
Diz-me que me queres, por favor, porque sem ti mais ninguém me quererá.
Mamã, Deus escolheu-me para te amar, por favor não me rejeites.
Prometo que vamos conseguir, tu e eu.
Podes salvar-me porque a minha vida está nas tuas mãos.

Mommy, are you listening to me? Neither one of us has to feel so alone.
We can make it through life hand-in-hand, together, bearing each other up.
God gave us the answers to our prayers in each other.
The choice is yours: Mommy, won’t you let me live.

Mamã, consegues ouvir-me? Nenhum de nós tem que sentir-se tão só.
Nós vamos conseguir viver de mãos dadas, juntos, ajudando-nos um ao outro.
Deus deu-nos um ao outro em resposta às nossas orações .
A escolha é tua: Mamã, deixa-me viver.

Nunca é tarde de mais para defender a vida dos indefesos. Por favor, assine esta petição.

Nota de actualização: Faça um emblema (widget) para a sua aba lateral usando esta imagem, cuja dimensão se adequa à maior parte dos blogues (200×200 pixels). Se esse não for o caso, pode sempre alterar-lhe o tamanho num programa qualquer de edição de imagem (Photoshop, Photo Paint, Gimp, Irfan View, Vallen JPegger). Não se esqueça de fazer o link da imagem à página da petição.
Pela Vida

Nota de actualização 2 (02-08-2008): Há quase um ano que deu entrada no Tribunal Constitucional um requerimento pedindo a declaração de inconstitucionalidade da Lei do Aborto. O seu conteúdo pode ser lido aqui (http://legitimismo.blogspot.com/2007/09/tribunal-constitucional-05072007.html)

*

Texto complementar:

Quando começa a vida?
Um novo indivíduo biológico humano, original em relação a todos os exemplares de sua espécie, inicia o seu ciclo vital no momento da penetração do espermatozóide no ovócito. A fusão dos gâmetas masculino e feminino (chamada também «singamia») marca o primeiro «passo geracional», isto é, a transição entre os gametas – que podem considerar-se «uma ponte» entre as gerações – e o organismo humano não-formado. A fusão dos gâmetas representam um evento «crítico» de «descontinuidade» porque marca a constituição de uma nova individualidade biológica, qualitativamente diferente dos gâmetas que a geraram. …

Por que se diz que o embrião humano tem dignidade própria?
Na nossa cultura está mudando o sentir comum a respeito do ser humano, sobretudo nos momentos mais emblemáticos e vulneráveis da sua existência, induzindo uma tendência para um gradual «desalojamento» do valor da vida que cada vez vai arreigando mais no tecido social e legislativo da cultura ocidental, historicamente berço dos direitos humanos.
Segundo esta tradição cultural, como se afirma – entre outros lugares – no Preâmbulo da Declaração Universal dos Direitos do Homem de 1948, o ser humano é o valor do qual se originam e para o qual se dirigem todos os direitos fundamentais; qualquer outro critério de ordem cultural, política, geográfica ou ideológica resultaria redutivo e arbitrário. A pertença à espécie humana é o elemento suficiente para atribuir a cada um sua dignidade
. …

Sócrates, o defensor da vida?

Tanta hipocrisia tem que lhe fazer mal!

 

O inqualificável primeiro ministro português da actualidade foi à Assembleia Geral das Nações Unidas defender a abolição universal da pena de morte, no passado dia 25 de Setembro – segundo notícia do DN, foram executadas 1591 pessoas no ano de 2006.
O mesmo homem que defendeu publicamente a legalização das 20000 mortes/ano em resultado de aborto provocado, previstas pela Direcção-Geral de Saúde para os primeiros cinco após a aprovação da nova lei de despenalização.

 

aborto

 

Que imoralidade! Que incoerência! Que oportunismo!

“JESUS CONDENA A HIPOCRISIA

27. Ai de vocês, doutores da lei e fariseus hipócritas,! Vocês são como sepulcros caiados; por fora parecem bonitos, mas por dentro estão cheios de ossos mortos e podridão!
28. Por fora parecem justos diante dos outros, mas por dentro estão cheios de hipocrisia e injustiça.
…”. (Mateus 23)

“AS COISAS QUE DEUS DETESTA
16. Deus detesta seis coisas e uma sétima abomina:
17. olhos altivos, língua mentirosa, mãos que derramam sangue inocente,
19. coração que maquina planos perversos, pés que correm para a maldade,
…”. (Provérbios 6)