Category Archives: TERRITÓRIO

Um ‘plano de riscos’ para o ordenamento do território!

Plano de riscos - modelo Mafalda by QuinoA Reserva Ecológica Nacional irá ser extinta, mas Paulo Correia, o director-geral do Território, Paulo Correia., sublinha que a protecção está assegurada, nomeadamente através da sua integração num Plano Sectorial de Riscos, cuja primeira versão terá de ser apresentada ao mês que vem. «Estamos a trabalhar num ritmo bastante intenso, já que este é um documento complexo»… (Plano Sectorial de Riscos apresentado em Junho, 08 de Maio de 2013, no Jornal Arquitecturas – o jornal de negócios da cidade[…])

O despacho conjunto, assinado por Filipe Lobo d’Ávila e Pedro Afonso de Paulo, destina-se a «definir as orientações estratégicas nacionais para a prevenção de riscos naturais, tecnológicos e mistos, bem como as medidas e dispositivos de minimização dos seus efeitos».
… o Secretário de Estado do Ambiente e do Ordenamento do Território, referiu que se pretende, com este despacho, um plano setorial materializado «num documento estratégico em matéria de inventariação de riscos e na definição de orientações para outros instrumentos de gestão territorial, particularmente para os planos municipais de ordenamento do território, de forma a que todo e qualquer processo de tomada de decisão seja o mais informado a este nível». (Governo vai elaborar plano “setorial” de prevenção e redução de riscos, 2012-11-20, no sítio do governo em Mantenha-se “Atualizado”, sublinhados do transcritor)

Traduzindo a “conversa da treta” (para os não-“especialistas”): Prepara-se a arbitrariedade total em matéria de ordenamento do território, a aprovação “sem espinhas” de todos os “grandes projectos” patrocinados pela banca. Se, mesmo assim, ainda não percebeu veja aqui alguns exemplos.

Nota: Depois não diga que não foi devidamente “atualizado” e avisado.

Leitura complementar:  Crony capitalism ou Capitalismo clientelista.

Ó ÁLVARO: EPA CA PV D PPP*

Ao Álvaro ex-blogger só lhe fica bem ter feito anteontem uma jantarada com uns tipos dos blogues. Um simples gesto de marketing político, tão comum lá pelas bandas de onde ele vem, que lhe permite avaliar a onda dos tail shakers e dos opinion takers com pretensões a opinion makers.**

Lamentável é que enquanto o Álvaro ex-blogger se entretém em pequenas festas privadas vai permitindo ao Álvaro ministro da Economia e do Emprego que continue a adiar o terminar dessa grande festa socialista com dinheiro público chamada Pê Pê Pês.***

Digo-o com o profundo alívio permitido pela minha mais que absoluta irrelevância na matéria.

*Pondo por extenso os acrónimos e siglas do título: É Preciso Acabar Com A Pouca Vergonha Das Parcerias Público-Privadas.
**O Álvaro teria mesmo atingido a perfeição no seu mercantil gesto tivesse-se ele lembrado de convidar para a partilha das vitualhas o famosíssimo blogador zedeportugal: ficava bem visto, evitando esta maldosa nota de rodapé, sem se arriscar  a ter presente esse futurível convidado, o qual não passa de uma personagem de ficção arcaica que segue rigidamente a regra fundamental: never mix business with pleasure… if pleasure involves being with a man in power, a bunch of other useful idiots guests (besides you) and an occasion to drink alcohol.
***Hoje mesmo ao almoço, o meu, pago do meu bolso (porque não há mesmo almoços, nem jantares, de graça), num local muito aprazível e muito em conta, estive a ouvir, sem sequer procurar fazê-lo, um grupo de convivas da sobredita festa a prepararem mais um saque a uma dependência desse ministério.

MAMA…, MAMA…, MAMAOT.

MAMAOT já nomeou 59 novos dirigentes
2012-03-30, Revista Água & Ambiente – Abril 2012

Notícia completa aqui (ficheiro pdf)

Rain and Tears.

An oldie (1968?) but a goodie just to celebrate the rain. 🙂

O presente de uma nação sem futuro, em resumo.

Os portugueses não se reproduzem e a população envelhece rapidamente.

ONU. Baixa fertilidade penaliza produtividade e economia em Portugal
Por Agência Lusa, publicado em 27 Out 2011 (jornal i)

Mas, o  governo ainda aconselha a actual população jovem a emigrar

Passos Coelho sugere a emigração a professores desempregados
18.12.2011 – Por PÚBLICO

e vende o sector estratégico da produção eléctrica nacional a uma empresa estatal chinesa.

Chineses da Three Gorges ganham privatização da EDP (act2)
22 Dezembro 2011, Celso  Filipe (Negócios)

A população activa de nacionalidade portuguesa decresce

População portuguesa reduzida a 6 milhões no final do século
Publicado a 11 MAI 11 (TSF)

e é substituída por imigrantes, vindos principalmente dos novos países da União Europeia.

Os búlgaros nas vindimas
Reportagem vídeo, 27.09.2011, Helena Silva e Luís Carvalho (JN)

Já pensaram? Conceitos como nação portuguesa, identidade, independência e território nacional passam a não ter significado. É a isto que os governantes de Portugal conduzem o país. Mas… será mesmo isto o que os portugueses querem?

Só aqueles que nunca conheceram a escravidão deixam de dar valor à liberdade.

Novo Tratado Europeu sem Referendo? Não! Nein! Non! No!

Em face do perigo de excesso de velocidade em direcção ao domínio alemão da União Europeia, sob o beneplácito de uma França idioticamente útil, veiculado nas notícias seguintes,

PSD: alteração pontual dos tratados deve ser “rapidíssima”

Rompuy: maior integração europeia pode ser rápida

é forçoso concordar – nunca pensei vir a dizê-lo alguma vez – com o stop referendário por que clama Pacheco Pereira.

MAIS DO QUE NUNCA CONVÉM COMEÇAR A PREPARAR UM REFERENDO SOBRE O NOVO TRATADO EUROPEU

Mas (re)clamar com títulos em maiúsculas não chega, ó Pacheco. É indispensável fazer alguma coisa, encetar alguma acção, avançar com alguma iniciativa. O que pensa o Pacheco fazer, para além do ruído habitual?

Nota: Estes (como também a Suécia e a Dinamarca) é que toparam os alemães logo desde o princípio e não perderam, nem fazem intenções de perder, a sua soberania económica – ou outra qualquer. (Eles não se esquecem que a 1.ª estrofe do hino alemão – embora na forma oficial actual só cantem a 3.ª estrofe – começa com a afirmação Deutschland, Deutschland über alles, Über alles in der Welt.)

O bicho-da-madeira.

À destruição segue-se a desolação.

O meu amigo David vem aqui, em comentário ao meu postal anterior, dizer que acha dever dar-me os parabéns. Parabéns…
Caro David,
Saiba que o mundo material, visível aos olhos do corpo (mas só quando há luz), está suportado pelo mundo espiritual. Esta afirmação não é fruto de crença ou ignorância mas, pelo contrário, baseia-se no corpo de conhecimentos sobre a estrutura e composição da matéria tal como é entendida actualmente pela Física. A Fé não é uma escolha de ignorantes – ao contrário do crêem os verdadeiros ignorantes. A Fé “é o firme fundamento das coisas que se esperam e uma demonstração das que não se vêem” (Hebreus 11, 1). Uma definição que poderia aplicar-se aos processos de teorização/investigação em Ciência…
Creio que todas as pessoas têm capacidade para “ver” o mundo espiritual que refiro mas a ideologia racionalista dominante há mais de um século força-as (força-nos) a acreditar que tal não é possível ou, pior, que é fruto de algum desequilíbrio psíquico. Por isso o Homem actual recusa-se a ver esse mundo espiritual que o rodeia, isto é, a permitir que o seu cérebro processe as imagens desse mundo. Porém, quando alguém de profunda racionalidade começa a estudar, de boa-fé e sem preconceitos ou reserva mental, os ensinamentos de Jesus Cristo, começa também, a pouco e pouco, a ter que alargar os seus limites da compreensão do mundo. E, ao fim de algum tempo, começa a “ver” esse mundo espiritual – que afinal esteve sempre presente. Cuidado, porém: não são “visões” espiritistas ou fantasmagóricas como aquelas que querem vender os vigaristas que fazem negócio com a crendice de tantos. A verdadeira “visão” do mundo espiritual não pode ser directamente descrita. É por essa razão que Jesus Cristo é obrigado a usar parábolas para descrever, indirectamente, aquilo que designa como Reino de Deus.
As imagens que ponho aí em baixo são, portanto, meras alegorias visuais do estado do Portugal espiritual durante e a seguir à dominação dos governos de Sócrates. Elas servem apenas para que possa ser melhor entendida a “destruição” e a “desolação” (ou “devastação”) espiritual do país.
Como pode ver/perceber, caro David, dificilmente poderemos estar de parabéns.
.
Destruição
.
Desolação
.
As imagens acima, intituladas Destruição e Desolação, são reproduções das últimas duas pinturas a óleo de uma série de cinco – denominada O percurso do Império – da autoria do pintor norte-americano do sé. XIX Thomas Cole.

Breathe (Respira).

.
.

Capitão Campanha: um jogo muito elucidativo.

Para todos aqueles que desconhecem as motivações que suscitam as corridas ao poder nas democracias ditas representativas, aqui fica um linque para um “Demgame” (democratic game) jogável dentro do navegador (browser). Basta clicar sobre a imagem em baixo.

Demgame Captain Campaign

Como verá se jogar duas ou mais vezes, o candidato pode defender uma ideia ou a sua contrária e obter popularidade em ambos os casos. Basta que se rodeie das pessoas certas, produza a melhor mensagem publicitária (slogan) e use da mais eficaz demagogia nos debates públicos.

Depois de ter percebido como funcionam estes “oportunistas da democracia” e quais são as suas reais intenções, vai continuar a ir na conversa deles ou vai começar a exigir tomar nas suas mãos as decisões sobre o governo deste seu País?