Monthly Archives: October 2011

Psalm 23 – The Lord is my sheperd.

Salmo 23 – O Senhor é o meu pastor.

Advertisements

O prenúncio do fim do Euro?

O Deutschland Finantial Times fez sair a sua edição de dia 23 de Outubro de 2011 com o preço marcado em Deutsche Mark (DM), isto é, em marcos alemães, como pode confirmar na imagem em baixo (clique sobre ela para ver maior).

Abschied für immer frau Merkel. Pode aproveitar, por exemplo, a queda de preços no imobiliário em Chipre para ir lá passar os seus últimos dias – dizem que é um sítio calmo, muito calmo, mais calmo que o Alentejo.

Respigado daqui.

A diferença entre gregos e portugueses.

A figura alegórica ou personificação nacional é a antropomorfização de uma nação visando mostrar, em síntese, as suas características mais significativas.

A figura identificativa da nação grega é uma senhora armada da cabeça aos pés, Atena de seu nome, com coragem suficiente para enfrentar gigantes.

A personificação do povo português é um apascaçado indivíduo que Bordalo nomeou Zé Povinho,”personagem de boca aberta (…), resignado perante a corrupção e a injustiça, ajoelhado pela carga dos impostos e ignorante das grandes questões do país”.

Zona Euro: Cimeira decide redução da dívida grega e aumento do fundo de resgate
2011-10-27, Jornal Digital

Portugal deve estar pronto para tomar medidas adicionais
Luís Rego em Bruxelas e Eudora Ribeiro, 26/10/11, Económico

O vespeiro*.

Em 13 de Junho passado o professor Paulo Guinote, autor do blogue A Educação do Meu Umbigo, dava notícia de ter sido processado judicialmente pelo articulista de causas (contra a malandragem docente) Paulo Chitas, por causa de um texto em que denuncia distorções de dados num artigo da autoria do dito Chitas na revista Visão.

Disso se fez eco aqui no Jardim, no próprio dia (tempos mais folgados…).

Passados pouco mais de 4 meses, no dia 24 deste mês de Outubro, o professor Paulo Guinote voltou a dar uma estranha notícia desse mesmo processo. Nela se fica a saber que, e transcrevo, “O Ministério Público acompanha a Acusação Particular, por entender que nos autos foram colhidos elementos suficientes quanto á [sic] prática pelo arguido Paulo Jorge Alves Guinote de um crime de Difamação agravada” e que “O Denunciante/Assistente apresenta cinco testemunhas (acrescentou duas à lista inicial), entre as quais uma anterior ministra da Educação”.

Tenho (para mim) como única explicação possível para tais enormidades a passagem a realidade da ficção de Jack Finney na obra The Body Snatchers. Ou isso, ou a teoria dos Vespiaries

*Definição no dicionário Priberam: 1. Ninho de vespas; conjunto de vespas.
2. Qualquer local em que repentinamente se deparam perigos, insídias, traições.
3. Conjunto de pessoas de má índole.

Se alguém não vos receber nem escutar as vossas palavras…*

*Se ficou com curiosidade em saber como termina a parábola O presente recusado, aqui publicada faz hoje exactamente uma semana, já pode agora ler o seu epílogo.

Quanto a nós, não recebemos o espírito do mundo, mas o Espírito que vem de Deus, para podermos conhecer os dons da graça de Deus. E deles não falamos com palavras que a sabedoria humana ensina, mas com as que o Espírito inspira, falando de realidades espirituais em termos espirituais.
1 Coríntios 2: 12-13

Curar a bebedeira com mais bebida?

Enquanto o PIB mundial é de 70 biliões de dólares, o mercado de títulos é de 95.000 biliões (mais de 1.000 vezes superior), as bolsas “valem” 50.000 biliões (cerca de 1.000 vezes mais) e seus derivados “valem” 466 mil biliões (6.500 vezes mais). Uma situação insustentável. O que está por trás destes números de títulos, valores mobiliários e derivativos é um capital especulativo que é milhares de vezes maior do que a economia real. Perante esta massa de capital a taxa de lucro tende para zero de forma imparável, pois os lucros saem – no fim de contas – da economia real. O sistema capitalista vai entrar em colapso. A cada 2,4 horas move-se pelo mundo uma quantidade de dinheiro equivalente ao PIB total de um ano!

A estrutura do Banco Central Europeu facilita a especulação. Na verdade, o BCE pode emprestar a bancos privados a uma taxa de juros de 1% mas não pode fazê-lo para os Estados, que têm de recorrer às entidades privadas através da dívida pública com juros muito mais altos. Desta forma, os bancos privados podem colectar os empréstimos do BCE a taxas de juro baixas e comprar dívida pública a juros muito mais altos.
(leia o artigo completo, em espanhol)

O que fazem, então, os donos do BCE? Preparam-se para aumentar o negócio FEEF para 1 bilião de euros.

E, quem vai pagar este novo “investimento” dos senhores da UE? Vá lá, esta vocês sabem responder agora…

O presente recusado.

Uma parábola do tempo actual.

Um dia, um pai amantíssimo chamou um dos seus servos, que tinha adoptado como filho, e disse-lhe:
– Sei que frequentas a casa de uma família que também me conhece. Brevemente te darei um presente para lhes levares em meu nome.
O servo, curioso, perguntou: Que presente será esse, senhor?
O pai respondeu-lhe: – Um pouco da minha água-de-vida* que dá alento, alegra o coração e restaura o corpo. Mas diz à família que visitas somente que lhes levarás um presente, sem dizeres o que é.
Quando o servo voltou a visitar aquela família disse-lhes tal como o pai e senhor lhe havia recomendado. Mas, na sua ingenuidade, acabou por lhes dizer também que preparassem os cálices, o que, obviamente, desvendou completamente o pretenso segredo sobre o presente.
O pai veio a saber do seu deslize mas não lhe disse nada porque sabia que o seu servo e filho não tinha feito por mal.
Passado um tempo, o servo disse ao senhor e pai que iria visitar de novo aquela família e gostaria de levar o presente do pai. O pai já sabia muito bem o que iria acontecer mas deu-lhe o presente para ele levar.
O servo foi e quando chegou à casa deles veio o mordomo ter com ele e disse-lhe:
– Não posso permitir-lhe que dê aquele presente à família a quem sirvo porque alguns dos seus membros mais antigos vieram falar comigo e me disseram que se ofenderiam, porque são radicalmente contra toda a espécie de bebidas espirituosas.
O servo não cabia em si de espanto mas, porque estava em casa alheia e por respeito para com o mordomo, e para com alguns membros da família de quem gostava muito, acatou a ordem.
Quando voltou a falar com o pai e ia contar-lhe o sucedido ele disse-lhe que já sabia. Então o servo perguntou ao pai:
– O que devo fazer, senhor? Sei que deves estar zangado comigo, por não ter feito bem o que me mandaste, e aborrecido com aquela família por ter recusado o teu presente. Se for da tua vontade, não voltarei aquela casa.
O pai demorou a responder-lhe e finalmente disse-lhe:
– Vai. Mas, da próxima vez que os visitares não entres, fica à porta e espera que o mordomo venha falar contigo.
O servo não ficou muito feliz mas fez como o senhor e pai lhe havia ordenado. O mordomo não veio logo falar com ele, fê-lo esperar, mas pela porta entretanto aberta o servo podia ouvir as suas palavras exortando a família a receber o presente que lhes havia sido enviado e tentando fazê-los compreender a grave falta que seria recusar um tal presente vindo de quem vinha.
Quando o mordomo veio finalmente à porta, o servo cumprimentou-o e foi-se embora sorrindo, porque sabia que o pai iria ficar contente quando lhe contasse o que tinha ouvido.

Epílogo: (publicado em 24-01-2011 pelas 20:30) Não obstante reconhecer o erro da família que serve e saber da parte de quem vem aquele que o visita , o mordomo, temeroso de perder o seu emprego, enviou uma mensagem ao servo proibindo-o de falar do presente de seu pai na presença daquela família, caso voltasse a visitá-la. O servo ficou muito triste e, não querendo incomodar o seu senhor novamente com aquele assunto que por certo o magoaria profundamente, pediu conselho ao filho legítimo de seu pai adoptivo sobre o que deveria fazer. O seu irmão e senhor disse-lhe que respondesse ao mau anfitrião, o mordomo, com as seguintes palavras:

Ao entrardes numa casa, saudai-a. Se essa casa for digna, a vossa paz desça sobre ela; se não for digna, volte para vós. Se alguém não vos receber nem escutar as vossas palavras, ao sair dessa casa ou dessa cidade, sacudi o pó dos vossos pés.
Mateus 10: 12-14

*Tradução literal do termo francês eau-de-vie, do latim aqua vitae, que designa as bebidas espirituosas em geral.

Bom conselho (do Chico).

15 de Outubro | Manifestação global | a Democracia sai à rua!

15 de Outubro: Manifestação global

Anúncio do Orçamento de Estado 2012.

Principais medidas anunciadas por Passos Coelho
13.10.2011 Por Lusa (Público)

O corolário de um governo de malfeitores.

Com polícias destes, quem precisa de bandidos?

O que mais preocupa não é nem o grito dos violentos, dos corruptos, dos desonestos, dos sem caráter, e dos sem ética…
O que mais preocupa é o silêncio dos bons.
Martin Luther King.