Governo prepara nova agressão fiscal às empresas.

Boot lick cards - Cartões para lambe-botasOntem, ao ler este post da Helena Matos pensei que ela estava a exagerar. Só bastante mais tarde, ao deparar com estes dois títulos:

Empresas declaram prejuízos só para fugir ao Fisco
Por:Redacção/CPS|09- 08- 2010, em TVI 24 e Agência Financeira

Paradigma fiscal de ‘Ghob’
Por:Armando Esteves Pereira, Director-Adjunto, 09 Agosto 2010, no Correio da Manhã

percebi que a Helena teria, muito provavelmente, razão.

A síntese noticiosa TVI 24/Agência Financeira acima referida reporta-se a uma notícia de fundo do jornal Público, do jornalista João Ramos de Almeida, o qual após “contactos do PÚBLICO junto de dirigentes da administração fiscal” escreve coisas como estas:

(…) uma grande parte das empresas podem estar a subavaliar a sua facturação e sobrevalorizar os seus custos, de forma a reduzir ou mesmo anular os seus resultados, para não pagar impostos sobre os resultados (…) sobretudo nas pequenas empresas, muitas das despesas pessoais dos donos ou sócios das empresas passam como custos da empresa (…)

O jornalista do Público é o autor das afirmações que são acima transcritas? Ou limita-se a escrever o que lhe disseram os “dirigentes da Administração Fiscal”? Quiçá, terá tirado um curso de juiz nas Novas Oportunidades? Ou é mesmo só uma lambidela à bota do poder?

Quanto à crónica do Correio da Manhã, o conhecimento pormenorizado que o “Director-Adjunto” demonstra ter da história fiscal dos contribuintes ali mencionados afasta qualquer dúvida relativamente ao que, e quem, a fundamenta.

E, por cá continua esta “festa” da “justiça” fiscal. Tal como nas outras áreas da “justiça”, deve dizer-se por uma questão de… justiça. Os tais “dirigentes da Administração Fiscal” são os juízes em causa própria; julgam com base em indícios e pressupostos, fornecem graciosamente os seus juízos aos senhores jornalistas que os divulgam junto da opinião pública, na esperança do retorno de algum capital político que suporte uma nova agressão fiscal.

É assim como que uma espécie de justiça popular camuflada… coisa proibida em qualquer Estado de Direito.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s