Monthly Archives: July 2010

O país dos rodinhas.

.
.
Nota para os mais distraídos: Reparem que o PM aparece sempre com a coroa, o PR usa um chapéu vermelho (e não tem rodinhas como os outros) e o azul mal-encarado é o responsável pela Defesa. E o dragão amigão será…? A caixa de comentários fica aberta às vossas sugestões. A resposta certa será premiada com um livro – a escolher de uma pequena lista que enviarei por e-mail ao acertador.
.
Advertisements

Um final absolutamente surpreendente

em qualquer parte do mundo, menos em Portugal. Ou seja, não dá em nada no fim.
.
.
Como não haveria de ser o fado a canção nacional?

O PM português já a negociar o int€r€ss€€€ €€€strat€gico nacional da GALP?

negócios das arábias

Be stupid

Uma marca italiana de vestuário lançou uma campanha publicitária que “aposta em ideias relacionadas com estupidez“.

Stupid is Spreading - cartaz publicidade

Algumas más línguas pretendem que se terá inspirado nas brilhantes ideias saídas dos executivos políticos portugueses desde 2005.

“Novela” PT-Telefónica: Vivo já está a perder quota de mercado
Terça feira, 20 de Julho de 2010, ExameExpresso

PT pede €7,5 mil milhões à Telefónica
Anabela Campos e João Vieira Pereira
Segunda feira, 26 de Julho de 2010, ExameExpresso

Ele há línguas capazes de dizer quase tudo…

Anteriormente escritas sobre este mesmo assunto aqui no Jardim: Porque manda o governo vetar a venda da Vivo? (30-06-2010), A nova ordem económica: capitalismo de Estado ou socialismo de mercado?  (03-07-2010).

A religião socialista.

Lord of the FliesO milionário Santos, um verdadeiro senhor (das moscas), declarou anteontem em entrevista a sua grande admiração pelo líder natural do bando socialista do momento, o espertalhão Sousa, dizendo que “Sócrates é como Deus nosso Senhor, está em todo o lado”.

Não existe uma lei neste país que proíba os cultos satânicos?

I’m not ashamed of the Gospel / Não terei vergonha da Tua Palavra.

When You found me my whole world changed,
I’m redeemed by Your life.
Let the Earth see You are freedom,
turned my darkness to light.
.
.
Quando me encontraste o meu mundo mudou,
fui redimido pela Tua vida.
Que todo o mundo possa ver que Tu és (a verdadeira) liberdade,
 tornaste luz a minha escuridão.

Uma excelente reflexão para dia de domingo.

Catedral: casa rica para Deus pobre

Depois, enviou-os a proclamar o Reino de Deus e a curar os doentes, e disse-lhes: «Nada leveis para o caminho: nem cajado, nem alforge, nem pão, nem dinheiro; nem tenhais duas túnicas.
Lucas 9: 2-3


O empresário do sagrado centraliza a sua obra em si próprio, em estratégias de crescimento, métodos organizacionais, objectivos de multiplicação, enfim números (dízimos!). Valoriza muito a imagem, o sucesso, os resultados. Para alcançar os seus objectivos e fazer a “máquina” funcionar, usa todos e tudo.

A Igreja, contudo, não é uma empresa ou organização e nem sequer é uma instituição. A Igreja é um Organismo Vivo. Cristo é O Cabeça e os membros, os realmente nascidos de novo e salvos pela graça de Deus, são o seu Corpo. A única Pessoa que faz a Igreja crescer é O próprio Senhor, “e todos os dias acrescentava o Senhor à igreja aqueles que se haviam de salvar” (Actos 2:47). O único Senhor da Igreja é Cristo.

Empresários do Sagrado
Publicada por Jorge Oliveira em 23 de Julho de 2010,
no blogue Canto do Jo.

De volta, a tempo de assistir à “Revolução Neoliberal”.

sócrates - manual do charlatãoCaramba! Uma pessoa afasta-se uns dias deste jardim à beira mar plantado e quando volta só ouve falar de “sentença de morte do Estado Social”, “destruição do regime constitucional”, “tentativa de golpe de Estado” e outras enormidades do mesmo teor. A adrenalina sobe, fica-se à espera de ver a tropa na rua, a excitação ou o medo nos olhos dos indígenas…
Rapidamente se descobre que, afinal, se trata apenas de uma proposta de revisão constitucional, ainda por cima apresentada dentro dos prazos previstos pelo próprio texto fundamental para a sua revisão. Que decepção!
Uma ligeira centelha de interesse volta a acender-se quando, um pouco mais tarde, se lê na pasquinada local que o grande-e-iluminado-líder-socialista clama histericamente contra o “neoliberalismo” da proposta. E, o tal “neoliberalismo” terá alguma coisa a responder ao pseudo-engenheiro?

CAPÍTULO 10
POR QUE OS PIORES CHEGAM AO PODER
hayek - o caminho da servidão

É por essa razão que os homens inescrupulosos têm mais probabilidades de êxito numa sociedade que tende ao totalitarismo. Quem não percebe essa verdade ainda não mediu toda a vastidão do abismo que separa o totalitarismo dos regimes liberais, a profunda diferença entre a atmosfera moral do colectivismo e a civilização ocidental, essencialmente individualista.

Para conferir um poder esmagador a um grupo, bastava estender um pouco mais o mesmo princípio, buscando a força não no imenso número de votos garantido em eleições ocasionais, mas no apoio absoluto e irrestrito de um grupo menor, porém perfeitamente organizado. Para conseguir impor um regime totalitário a toda uma nação, o líder deve em primeiro lugar reunir à sua volta um grupo disposto a submeter-se voluntariamente à disciplina totalitária que ele pretende aplicar aos outros pela força.
Embora os partidos socialistas tivessem poder político suficiente para obter o que desejassem, desde que resolvessem empregar a força, relutaram em fazê-lo. Sem o saber, tinham assumido uma tarefa que só poderia ser executada por homens implacáveis, prontos a desprezar as barreiras da moral reinante.
Muitos reformadores sociais aprenderam, no passado, que o socialismo só pode ser posto em prática por métodos que seriam condenados pela maioria dos socialistas. Os velhos partidos socialistas sentiam-se inibidos por seus ideais democráticos; não possuíam a insensibilidade necessária à execução da tarefa por eles escolhida.

Há três razões principais para que um grupo numeroso, forte e de ideias bastante homogéneas não tenda a ser constituído pelos melhores e sim pelos piores elementos de qualquer sociedade. De acordo (136) com os padrões hoje aceites, os princípios que presidiriam à selecção de tal grupo seriam quase inteiramente negativos.
Em primeiro lugar, é provavelmente certo que, de modo geral, quanto mais elevada a educação e a inteligência dos indivíduos, tanto mais se diferenciam os seus gostos e opiniões e menor é a possibilidade de concordarem sobre determinada hierarquia de valores. Disso resulta que, se quisermos encontrar um alto grau de uniformidade e semelhança de pontos de vista, teremos de descer às camadas em que os padrões morais e intelectuais são inferiores e prevalecem os instintos mais primitivos e “comuns”. Isso não significa que a maioria do povo tenha padrões morais baixos; significa apenas que o grupo mais amplo cujo valores são semelhantes é constituído por indivíduos que possuem padrões inferiores. Ê, por assim dizer, o mínimo denominador comum que une o maior número de homens. Quando se deseja um grupo numeroso e bastante forte para impor aos demais suas ideias sobre os valores da vida, jamais serão aqueles que possuem gostos altamente diferenciados e desenvolvidos que sustentarão pela força do número os seus próprios ideais, mas os que formam a “massa” no sentido pejorativo do termo, os menos originais e menos independentes.
Se, contudo, um ditador em potencial tivesse de contar apenas com aqueles cujos instintos simples e primitivos são muito semelhantes, o número destes não daria peso suficiente às suas pretensões. Seria preciso aumentar-lhes o número, convertendo outros ao mesmo credo simples.
A esta altura entra em jogo o segundo princípio negativo da selecção: tal indivíduo conseguirá o apoio dos dóceis e dos simplórios, que não têm fortes convicções próprias mas estão prontos a aceitar um sistema de valores previamente elaborado, contando que este lhes seja apregoado com bastante estrépito e insistência. Serão, assim, aqueles cujas ideias vagas e imperfeitas se deixam influenciar com facilidade, cujas paixões e emoções não é difícil despertar, que engrossarão as fileiras do partido totalitário.
O terceiro e talvez mais importante elemento negativo da selecção está relacionado com o esforço do demagogo hábil por criar um grupo coeso e homogéneo de prosélitos. Quase por uma lei da natureza humana, parece ser mais fácil aos homens concordarem sobre um programa negativo – o ódio a um inimigo ou a inveja aos que estão em melhor situação – do que sobre qualquer plano positivo. A antítese “nós” e “eles”, a luta comum contra os que se acham fora do grupo, parece um ingrediente essencial a qualquer ideologia capaz de unir solidamente um grupo visando à acção comum. Por essa razão, é sempre utilizada por aqueles que procuram não só o apoio a um programa político mas também a fidelidade irrestrita de grandes massas.

HAYEK, F. A., O Caminho da Servidão, edição do Instituto Liberal, 1990

No Man’s Land.

(Portugal 2010)

.

()
And so it seems our destiny:
(Parece ser o nosso destino)
To search and never rest,
(Procurar sem descanso)
To ride that ever changing wave
(Montar essa onda sempre em mudança)
That never seems to crest;
(que nunca parece ter crista)
To shiver in the darkest night
(Tremer na noite mais escura)
Afraid to make a stand,
(Com medo de tomar uma posição)
And then go back and do our time
(Depois voltar para cumprir a pena)
Out there in no man’s land.
(Nesta terra de ninguém)
.

Até breve.

O Caminho da Depressão*

Jornal de Negócios 9-Jul-2010 - 1ª página
notícia sem linque directo – 1ª página do JdN de 9-7-2010
.
Quando foi afirmado aqui pela 1ª vez, em 14-05-2008, que Portugal se encontrava já em recessão económica e caminhava para a depressão, muitos foram os que zombaram.

Quando, 8 meses depois, em 14-01-2009, se disse aqui que o país se encontrava já em plena situação de insolvência relativamente à sua dívida externa, foram menos os que zombaram.
.
Quando, passados mais 2 meses, em 14-03-2009, se reafirmou aqui a marcha inexorável para o estado pré-comatoso da Economia portuguesa e de outros países europeus – ainda não era conhecida a chamada “crise da Grécia” – os zombadores já não se manifestaram.

Hoje, 14-07-2010, passados mais 1 ano e 4 meses, aqui volta a afirmar-se: caso não venham a ser feitas a breve prazo profundas mudanças estruturais na política económica deste país, o descalabro económico nacional é inevitável. Fica a aguardar-se serenamente a reacção dos zombadores a esta declaração.
.
Os sucessivos erros da política económica e fiscal  dos governos chefiados por José Sócrates Sousa, tendo como ministro “dos impostos” (porque das Finanças nunca o foi)  Fernando Teixeira dos Santos, quase destruíram por completo a estrutura fundamental  de suporte da Economia portuguesa – os pequenos e médios empresários/comerciantes/agricultores e os trabalhadores independentes – em nome de uma falsa justiça fiscal que já nada tem para redistribuir e de uma pretensa capacidade de realização que vive de favorecimentos e compadrios.
 
Os que trabalham têm vindo a ver as suas vidas a ser destruídas há já bastante tempo. Os sindicatos continuam a atraiçoar os seus associados para manter a todo o custo estes falsos socialistas no poder. Será, pois, preciso que a destruição chegue também aos que (ainda) têm emprego para que este povo manso se revolte finalmente.
—–
*Jogo de palavras com o título da obra do economista Friedrich Hayek, O Caminho da Servidão, que pode descarregar, por exemplo, da lista “Outros livros” na barra lateral do blogue Democracia Directa – Visão Cristã.