O filho do carpinteiro e os cardeais.

Na madrugada de ontem, dia de Natal, contrariamente ao que é costume havia uma televisão acesa na sala onde me encontrava a passar a consoada. Estava sintonizada no canal que transmitia em directo as celebrações natalícias no Vaticano.

Vaticano - S. PedroSem tomar muita atenção, fui contudo olhando para o sumptuoso interior da catedral de S. Pedro, para as vestes púrpura e alvo-douradas dos cardeais, para a riquíssima ambiência criada para a ocasião.

O filho do carpinteiroSubitamente, atingiu-me como uma pancada a lembrança daquilo que estava ali a ser comemorado: o nascimento de alguém a quem viria a ser dado o nome de Jesus, filho humilde de um pobre carpinteiro e de uma simples mulher chamada Maria, no interior de um estábulo com animais, nos arredores de uma pequena cidade chamada Belém, situada na Judéia – actual Cisjordânia.

O mesmo Jesus que 30 anos depois iria aplicar a Si mesmo as palavras iniciais do capítulo 61 do lívro do profeta Isaías: «O Espírito do Senhor está sobre mim, porque me ungiu para anunciar a Boa-Nova aos pobres; enviou-me a proclamar a libertação aos cativos e, aos cegos, a recuperação da vista; a mandar em liberdade os oprimidos, …» (cf. Lucas 4, 18-19).

E aqueles que ali estavam visíveis no pequeno ecrã eram, nem mais nem menos, os discípulos dos discípulos desse Jesus que os enviou em serviço aos povos “depois de lhes ter dado as seguintes instruções: (…) Recebestes de graça, dai de graça. Não possuais ouro, nem prata, nem cobre, em vossos cintos; nem alforge para o caminho, nem duas túnicas, nem sandálias, nem cajado; pois o trabalhador merece o seu sustento.” (Mateus 10, 5-10)

Então, a minha mente e a minha alma perturbaram-se com tão evidente hipocrisia.
.

5 responses to “O filho do carpinteiro e os cardeais.

  1. Caro Zé de Portugal,
    Estive afastado dos computadores e só agora pude aceder à internet.Espero que tenha passado estes dias na companhia de quem mais ama. Desejo-lhe umas Boas Festas e que 2010 seja um ano próspero.
    Em relação a este post,compartilho do seu sentimento nele descrito.
    É tão pura e bela a palavra e a Igreja de Deus, mas tantas vezes deturpada pela Igreja dos Homens.
    Cumprimentos
    Paulo Henriques

  2. Caro Zé de Portugal,
    Estive afastado dos computadores e só agora pude aceder à internet.Espero que tenha passado estes dias na companhia de quem mais ama. Desejo-lhe umas Boas Festas e que 2010 seja um ano próspero.
    Em relação a este post,compartilho do seu sentimento nele descrito.
    É tão pura e bela a palavra e a Igreja de Deus, mas tantas vezes deturpada pela Igreja dos Homens.
    Cumprimentos
    Paulo Henriques

  3. Fernando Sousa da Pena

    Seis dias antes da Páscoa – relata São João –, foi Jesus a Betânia. Ali lhe ofereceram uma ceia; Marta servia e Lázaro era um dos que estavam com Ele à mesa. Maria tomou então uma libra de perfume de nardo autêntico, muito caro, ungiu os pés de Jesus com ele e enxugou-os com os seus cabelos, e a casa encheu-se com a fragrância do perfume.
    Imediatamente salta à vista a generosidade desta mulher. Deseja manifestar o seu agradecimento ao Mestre, por ter devolvido a vida ao seu irmão e por tantos outros bens recebidos, e não repara em gastos. Judas, presente na cena, calcula exatamente o preço do perfume.
    Mas, em vez de louvar a delicadeza de Maria, entregou-se à crítica: por que não se vendeu este perfume por trezentos denários para dá-los aos pobres? Na realidade, como faz notar São João, não lhe importavam os pobres; interessava-lhe ter acesso ao dinheiro da bolsa e furtar o seu conteúdo.
    «Mas Jesus faz uma avaliação muito diferente», escreve João Paulo II. «sem nada tirar ao dever da caridade para com os necessitados, aos quais os discípulos sempre se hão-de dedicar– « Pobres, sempre os tereis convosco » (Jo 12, 8; cf. Mt 26, 11; Mc 14, 7) –, Ele pensa no momento já próximo da sua morte e sepultura, considerando a unção que Lhe foi feita como uma antecipação daquelas honras de que continuará a ser digno o seu corpo mesmo depois da morte, porque indissoluvelmente ligado ao mistério da sua pessoa.» (Ecclesia de Eucharistia, 47).
    Para ser verdadeira virtude, a caridade deve estar ordenada. E o primeiro lugar é de Deus: amarás ao Senhor teu Deus com todo o teu coração e com toda a tua alma e com toda a tua mente. Este é o maior e o primeiro mandamento. O segundo é como este: amarás o teu próximo como a ti mesmo.
    Destes dois mandamentos dependem toda a Lei e os Profetas. Por isso, equivocam-se os que – com a desculpa de aliviar as necessidades materiais dos homens – se desentendem das necessidades da Igreja e dos ministros sagrados. Escreve São Josemaria Escrivá: «aquela mulher que, em casa de Simão o leproso, em Betânia, unge com rico perfume a cabeça do Mestre, recorda-nos o dever de sermos magnânimos no culto de Deus.
    – Todo o luxo, majestade e beleza me parecem pouco.
    – E contra os que atacam a riqueza dos vasos sagrados, paramentos e retábulos, ouve-se o louvor de Jesus: “Opus enim bonum operata est in me” – uma boa obra fez para comigo.– uma boa obra foi feita comigo».

  4. Caro Fernando Sousa da Pena,
    Gabo-lhe o esforço da escrita, mas não a qualidade da argumentação.
    Responder com “escreve João Paulo II” ou “escreve São José Maria Escrivá” à própria palavra do Mestre é fraco argumento, há-de convir.
    Qual é a parte de “Não possuais ouro, nem prata, nem cobre, em vossos cintos; nem alforge para o caminho, nem duas túnicas, nem sandálias, nem cajado” que o caríssimo Fernando não entende?
    Diz, ainda, o Fernando, a certo passo do seu longo comentário, que “equivocam-se os que – com a desculpa de aliviar as necessidades materiais dos homens – se desentendem das necessidades da Igreja e dos ministros sagrados.”
    Um breve estudo das razões na origem das ordens mendicantes certamente evitaria que escrevesse o que escreveu. Deixe-me dar-lhe uma pequena ajuda ao seu melhor esclarecimento, indicando-lhe este linque (por exemplo), onde está explicado de forma bem singela mas clara aquilo que estou a tentar transmitir:
    http://ssacramento.blogs.sapo.pt/158566.html
    Fique na paz que o Senhor quis deixar aos que são seus.
    .

  5. You really found a way to make this whole preoscs easier.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s