Monthly Archives: July 2008

Os impostos e a sanha da cobrança aumentarão sem cessar na UE.

Alguém faz uma pequena ideia de quantos milhões de € gasta a Comissão Europeia?

 

Le fardeaux des privilèges

 

 

 

 

Dê-se o exemplo dos gastos orçamentados para 2008 só na rubrica denominada “Comunicação”.

 

Segundo o documento ANNUAL WORK PROGRAMME ON GRANTS AND CONTRACTS IN THE FIELD OF COMMUNICATION FOR 2008 (Programa Anual de Subsídios e Contratos na Área das Comunicações para 2008), os gastos previstos da Comissão Europeia em “Comunicações” serão os seguintes:

 

1. Acções multimédia – emissões de TV e rádio, produção audiovisual e actividades acessórias:

…………………………………………………………22 200 000 €

2. Informação noutros meios de comunicação – cobertura noticiosa, reportagens, acções de formação para jornalistas e actividades acessórias:

…………………………………………………………4 470 000 €

3. Operação de estúdios de TV e rádio – custos de operação, utilização de satélites, equipamentos e manutenção:

…………………………………………………………6 212 000 €

4. Envio da informação – Custos de expedição e distribuição e gastos acessórios:

…………………………………………………………15 300 000 €

5. Actividades de comunicação local – Eventos, exposições, seminários, conferências, reuniões, visitas, representações e materiais de suporte:

…………………………………………………………11 400 000 €

6. Acções prioritárias, incluindo os financiamentos do PRINCE (PRogramme d’INformation du Citoyen Européen) – financiamentos de projectos de comunicação(?), debate Europa, Spring Day for Europe(?), representações:

…………………………………………………………12 830 000 €

7. Projecto piloto EUROGLOBE:

…………………………………………………………1 000 000 €

8. Projecto piloto em redes de informação experimentais (PINS) – Construção e manutenção das plataformas e conferencias:

…………………………………………………………1 500 000 €

9. Análise da opinião pública – sondagens e estudos:

…………………………………………………………5 800 000 €

10. Informação on-line e ferramentas de comunicação – custos do centro EUROPE DIRECT, do serviço SCAD, da produção de documentos legais, dos sítios, páginas e publicações electrónicas:

…………………………………………………………10 880 000 €

11. Publicações escritas em preparação – publicações em papel:

…………………………………………………………5 150 000 €

12. Publicações escritas de interesse geral:

…………………………………………………………2 520 000 €

TOTAL: ……………………………………………..99 262 000 €

 

Noventa e nove milhões, duzentos e sessenta e dois mil euros, só em “Comunicações”? É caso para dizer com toda a propriedade: Não há dinheiro que chegue para esta gente.

 

E andam por aí uns tolos euro-entusiastas convencidos que a Comissão Europeia quer fazer aprovar rapidamente e a qualquer preço a Tratado que estabelece uma federação para a Europa (ao qual chamaram, eufemística e dissimuladamente, de Lisboa) em benefício dos cidadãos… europeus! Pois, pois!

 

O que eles querem é mais dinheiro, harmonização fiscal com introdução da cobrança universal e directa sobre os cidadãos de todos os países, para financiarem as novas instituições legislativas, executivas e, principalmente, as novas Forças Armadas europeias. É o próprio presidente da União Europeia em exercício, Sarkozy, que o afirma sem qualquer dissimulação.

 

Vivemos uma nova Idade Média toda enfeitada de tecnologia. Somos os servos que sustentarão, para além do feudo de Portugal, também o reino da Europa. A fuga será praticamente impossível e, neste neo-medievalismo, nem o ar da cidade trará liberdade (Stadtluft macht frei).

 

“… Para o economista anarco-capitalista Hans Hermann Hoppe, como os feudos são supostamente propriedade do Estado (neste caso, representado pelos senhores feudais), feudalismo é, conseqüentemente, considerado por ele como sendo uma forma de socialismo, o socialismo aristocrático. (servismo) …” (Wikipedia, Feudalismo, Economia e prosperidade)

 

Advertisements

O 1º ministro promete 2 fábricas brasileiras,

(que talvez venham a instalar-se no Alentejo), por cada 25000 empresas portuguesas efectivamente perdidas.

 

Ricos e pobres

O primeiro-ministro, José Sócrates, destacou hoje a importância para a economia portuguesa do investimento que a empresa brasileira de aeronáutica Embraer vai fazer em Évora… (Público, Sócrates diz que projecto da Embraer em Évora marca nova era na indústria portuguesa, 26.07.2008, Lusa)

Ou talvez não…

A Embraer, …, admitiu, este sábado, numa nota de rodapé de um comunicado distribuído durante a celebração de um contrato que visa a instalação de duas fábricas no Alentejo, que as estimativas para o projecto em Portugal podem estar comprometidas. … (JN, Embraer admite não cumprir expectativas de projecto em Évora, 28 Julho 2008)

Confrontem-se os ganhos supostos com estas perdas certas:

Mais de 15 mil pequenos empresários de construção civil fecharam as portas em 2007. E, dados ainda não confirmados, referem que, só na primeira metade do ano corrente, o número já terá engrossado outros 10 mil. Estes valores foram ontem avançados pela Associação Nacional de Pequenas e Médias Empresas (ANPME) e constam de uma carta enviada aos secretários de Estado do Ordenamento do Território e das Cidades e da Administração Local, à qual o DN teve acesso. Segundo a mesma fonte, num universo calculado de 70 mil pequenos empresários, a actual crise imobiliária afectou já cerca de 25 mil. No sector, encontram-se igualmente desempregados 60 mil trabalhadores por conta de outrem. … (DN, Indústria de construção perdeu 15 mil empresas num ano, 22 de Julho de 2008, Márcio Candoso)

Um impressionante balanço negativo para o governo de José Sousa (que prefere ser chamado de Sócrates).

O 1º ministro promete 2 fábricas brasileiras,

(que talvez venham a instalar-se no Alentejo), por cada 25000 empresas portuguesas efectivamente perdidas.

 

Ricos e pobres

O primeiro-ministro, José Sócrates, destacou hoje a importância para a economia portuguesa do investimento que a empresa brasileira de aeronáutica Embraer vai fazer em Évora… (Público, Sócrates diz que projecto da Embraer em Évora marca nova era na indústria portuguesa, 26.07.2008, Lusa)

Ou talvez não…

A Embraer, …, admitiu, este sábado, numa nota de rodapé de um comunicado distribuído durante a celebração de um contrato que visa a instalação de duas fábricas no Alentejo, que as estimativas para o projecto em Portugal podem estar comprometidas. … (JN, Embraer admite não cumprir expectativas de projecto em Évora, 28 Julho 2008)

Confrontem-se os ganhos supostos com estas perdas certas:

Mais de 15 mil pequenos empresários de construção civil fecharam as portas em 2007. E, dados ainda não confirmados, referem que, só na primeira metade do ano corrente, o número já terá engrossado outros 10 mil. Estes valores foram ontem avançados pela Associação Nacional de Pequenas e Médias Empresas (ANPME) e constam de uma carta enviada aos secretários de Estado do Ordenamento do Território e das Cidades e da Administração Local, à qual o DN teve acesso. Segundo a mesma fonte, num universo calculado de 70 mil pequenos empresários, a actual crise imobiliária afectou já cerca de 25 mil. No sector, encontram-se igualmente desempregados 60 mil trabalhadores por conta de outrem. … (DN, Indústria de construção perdeu 15 mil empresas num ano, 22 de Julho de 2008, Márcio Candoso)

Um impressionante balanço negativo para o governo de José Sousa (que prefere ser chamado de Sócrates).

Revelation song – Canção da 2ª vinda.

Interpretada pela sua autora* por Kari Jobe.

.

Worthy is the,
Lamb who was slain
Holy, Holy, is He
Sing a new song, to Him who sits on
Heaven’s Mercy Seat
[Repeat 2x]

(Chorus)
Holy, Holy, Holy
Is the Lord God Almighty
Who was, and is, and is to come
With all creation I sing:
Praise to the King of Kings!
You are my everything,
And I will adore You…!

Clothed in rainbows, of living color
Flashes of lightning, rolls of thunder
Blessing and honor, strength and
Glory and power be
To You the Only Wise King,

(Chorus)
Holy, …

Filled with wonder,
Awestruck wonder
At the mention of Your Name
Jesus, Your Name is Power
Breath, and Living Water
Such a marvelous mystery

(Chorus)
Holy, …

* Estava equivocado. A autora desta canção é Jennie Lee Riddle. Fica aqui a história da génese desta canção (em inglês).

Os dias da ira – Dies Irae,

antecedidos pelo Homem Armado/preceded by The Armed Man, por/by Karl Jenkins.

.

 

Os amigos do José Sousa (conhecido por sócrates).

Aviso: O postal que se segue pode chocar as pessoas mais sensíveis. 0

“Vimos à Europa com uma mensagem de amor, paz e justiça”, garantiu Hugo Chávez – que antes de aterrar em Lisboa passou pela Rússia e pela Bielorússia. Chávez desmentia assim, categoricamente, a notícia segundo a qual acordara com Moscovo a instalação de uma base militar russa. Uma notícia “completamente falsa”, que classificou como uma das várias “emboscadas” de que é alvo “diariamente”, no que considera ser “uma campanha perversa”, “uma guerra mediática”: “Seguem-nos no mapa”, comentou ainda. (Expresso, Hugo Chávez desmente instalação de base militar russa na Venezuela, Cristina Figueiredo, 24 de Jul de 2008)

Diz-me com quem andas, dir-te-ei quem és (provérbio popular).

chavez_socrateskadhafi_socrates

mugabe_socratesdossantos_socrates

A amizade deve achar a igualdade, ou estabelecê-la (provérbio popular).

O primeiro-ministro português, José Sócrates, destacou esta quinta-feira o «trabalho notável» que o Governo angolano tem desenvolvido e que permitiu transformar Angola num dos países que «mais tem crescido economicamente». (Portugal Diário, Sócrates elogia governo angolano, Henrique Botequilha, da Agência Lusa, 17-07-2008)

Amigos dos meus amigos, meus amigos são (provérbio popular).

dossantos_chavezchavez_mugabe

A amizade está ao ganho como a mulher do mundo (provérbio popular).

O primeiro-ministro português aproveitou o encontro com Kadafi para agradecer «profundamente» o empenho do líder líbio na realização da Cimeira Europa-África em Dezembro de 2007, sublinhando que sem ele o encontro teria tido algumas dificuldades na sua concretização. (Agência Financeira, Sócrates elogia Líbia como parceira estratégica de Portugal, Lusa/RPV, 2008/07/19)

Quem tem amigos, não morre na cadeia (provérbio popular).

iran_presidenthezbollah_chief

Tudo leva a crer que estes (aqui acima) poderão ser os próximos amigos do José Sousa.

 

7E, quando Ele abriu o quarto selo, ouvi a voz do quarto ser vivente que dizia: «Vem!» 8Na visão apareceu um cavalo esverdeado. O cavaleiro chamava-se «Morte»; e o «Abismo» seguia atrás dele. Foi-lhes dado poder sobre a quarta parte da terra, para matar pela espada, pela fome, pela morte e pelas feras da terra. (Apocalipse 6)

 

Será que mais alguém consegue ver isto Senhor?

 

 

Os portugueses ficaram definitivamente apátridas.

A minha Pátria é a língua portuguesaFernando Pessoa.

Madredeus ao vivo

Apesar disso e das 87.742 assinaturas com que já contava a petição Manifesto Em Defesa da Lingua Portuguesa Contra o Acordo Ortográfico, Cavaco Silva promulgou o Acordo Ortográfico.

Depois de venderem o mar e também a terra, a gente e também a Fé, finalmente venderam aquilo que pareceria impossível: a lusa Língua.

A História os julgará e o Povo, apesar de já lhe terem vendido também a soberania.

Novecentos anos de História não se apagam com decretos e traição, nem com subsídios e centros comerciais.

Nota aos meus amigos e leitores brasileiros, cabo-verdianos e outros lusófonos: Este acordo não é mau apenas para os portugueses. Toda a lusofonia perde com a perda da lusa referência. Toda a uniformização é empobrecedora. Uma Língua viva está sempre a divergir e a criar singularidades – doutra forma estará morta.

Finalmente, um delfim à altura para José Sousa,

mais conhecido por sócrates, e o assegurar do futuro (maquiavélico) para o ps*.

 

 

 

Neste tempo de dificuldades económicas, tensões sociais, desemprego, sobre-endividamento familiar e outras causas geradoras de desigualdade social, o novo líder da juventude socialista, Duarte Cordeiro, descobriu a maior, a mais horrível de todas as desigualdade nacionais: a impossibilidade legal do casamento homossexual.

 

[…] “Deparamos com uma das poucas desigualdades existentes na lei, impondo-se a alteração a vários níveis”, defendeu Duarte Cordeiro, acrescentando que “trata-se de uma imposição do princípio da igualdade” e da “felicidade de milhares. […] (Portugal Diário, «Casamento homossexual é imposição do princípio da igualdade», 20-07-2008)

 

Para quando a defesa de “formas matrimoniais” mais avançadas?

Casar com animais

 

[…] Contando com a presença do secretário-geral do PS, José Sócrates, na sessão de encerramento do congresso, Duarte Cordeiro afirmou que a JS estará ao lado do governo «contra o imobilismo e contra o conservadorismo da direita». […] (Destak, «Casamento homossexual é imposição do princípio da igualdade», 20-07-2008)

 

Da direita?

 

[…] Antes do discurso final de Duarte Cordeiro no Congresso Nacional da JS, o líder dos Socialistas Católicos, Cláudio Anaia, demarcou-se da defesa do casamento homossexual, considerando que se trata de uma proposta “aberrante“. […] (Público, Novo líder da JS defende que casamento homossexual é “uma imposição do princípio de igualdade”, 20-07-2008)

 

*pinto socialismo

 

Nota completamente à parte do restante texto e escrita só para experimentar a grafia do novo acordo ortográfico: Imbecilidade é, na psiquiatria, o grau intermediário da tríade oligofrênica, e os indivíduos portadores de imbecilidade são acompanhados de um certo grau de desenvolvimento intelectual que os permite um mínimo aprendizado. (Wikipedia, Imbecilidade)

 

Para todos os que lutam e estão cansados.

Dedicado a todos os que lutam gratuita e humildemente pela Verdade, pela Liberdade, pela Justiça e por um mundo melhor.

28«Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, que Eu hei-de aliviar-vos. 29Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração e encontrareis descanso para o vosso espírito. 30Pois o meu jugo é suave e o meu fardo é leve.» (Mateus 11)

 

Portugal está efectivamente em recessão económica.

Mas porque o negam tão desesperadamente Teixeira e Constâncio?

 

Avestruz

 

No passado dia 3 de Março de 2008, no decurso da sua intervenção na conferência “As Grandes Reformas Nacionais” promovida pela Associação Industrial do Minho, o economista Miguel Cadilhe afirma que Portugal se encontra em “recessão grave” desde 2002/2003 e defende que “o mau desempenho económico” do país deveria levar o Governo a accionar as cláusulas de excepção do Pacto de Estabilidade e Crescimento (PEC).1

 

No dia seguinte, 4 de Março, O ministro das Finanças classifica de “gratuita”, “alarmista” e sem fundamentação técnica a afirmação de Miguel Cadilhe de que “Portugal está em recessão económica grave”. […] Convidado a comentar a afirmação do antigo ministro das Finanças de Cavaco Silva, Teixeira Santos, que se encontra em Bruxelas numa reunião de ministros das Finanças da União Europeia, disse aos jornalistas que essa afirmação não tem nada a ver com a realidade da economia do país.2

 

Há apenas 4 dias atrás, 15 de Julho de 2008, Luís Reis Ribeiro escreve no Diário Económico que Os alarmes soaram mas os economistas ainda evitam a palavra recessão. Com o desemprego a subir há dois meses consecutivos e o índice de produção industrial no valor mais baixo desde 1992, soaram os alarmes na europa. mas os Economistas ainda recusam a expressão. […] Os países mais pequenos e dependentes do comércio externo, como é o caso de Portugal, estão especialmente vulneráveis neste jogo. Fora da zona euro, o cenário é mais delicado: a Dinamarca entrou mesmo em recessão técnica no primeiro trimestre deste ano (dois trimestres seguidos de contracção do PIB), o Reino Unido para lá caminha, têm dado a entender vários observadores.3

 

 

No mesmo dia, 15 de Julho de 2008, O governador do Banco de Portugal afastou […] a hipótese de uma recessão económica em Portugal e até na Europa. Mas admite que, a nível mundial, a situação está a piorar a olhos vistos.7

 

Mas, afinal, está Portugal em recessão ou não? Sendo a Economia apenas uma ciência social, sem padrões exactos e universais, tudo depende dos conceitos e modelos escolhidos na análise.

 

Use-se, por exemplo, a definição de recessão da Cisco Investments:

 

A significant decline in activity spread across the economy, lasting longer than a few months. It is visible in industrial production, employment, real income, and wholesale-retail trade. The technical indicator of a recession is two consecutive quarters of negative economic growth as measured by a country’s GDP.

Tradução: Um declínio significativo em todas as actividades económicas, com duração de alguns meses. É visível na produção industrial, no emprego, no rendimento real e no comércio grossista e retalhista. O indicador técnico de uma recessão são dois trimestres consecutivos de crescimento económico negativo medido pelo PIB de um país.

 

Veja-se, ponto por ponto:

 

1. Haverá em Portugal um declínio significativo de todas as actividades económicas? Veja-se o que afirma o Informação Estatística > Publicações”>relatório da Síntese Económica de Conjuntura do INE respeitante a Junho de 2008:

 

Actividade económica: O indicador de actividade económica apresentou uma forte desaceleração em Maio, retomando a trajectória descendente iniciada em Janeiro e atingindo o valor mais baixo do último ano. A informação proveniente dos Indicadores de Curto Prazo, disponível para Maio, apontou para um menor dinamismo da actividade económica em todos os sectores: serviços, indústria e construção. […] O índice de volume de negócios nos serviços abrandou significativamente em Maio, retomando o movimento de Março e apresentando o crescimento homólogo mais baixo desde Junho de 2006 (0,7%, menos 2,8 p.p. que no mês anterior). Refira-se que a variação homóloga mensal do índice total passou de 4,6% em Abril para 0,0% em Maio. O índice de volume de negócios na indústria transformadora também desacelerou de forma significativa em Maio (3,4 p.p.), retomando o movimento observado em Março, ao apresentar um crescimento homólogo nominal de 2,5% (mínimo desde Fevereiro de 2006). […] O índice de produção da indústria transformadora passou de uma taxa de variação homóloga de 1,0% em Abril para -1,6% em Maio, retomando a trajectória descendente observada desde Maio de 2007 e atingindo o valor mais baixo desde Julho de 2005. O comportamento apresentado em Maio deveu-se ao movimento no mesmo sentido registado em todos os agrupamentos industriais. Note-se que este índice passou de uma variação homóloga mensal de 4,0% em Abril para -5,3% em Maio. […] Consumo: Em Maio, o indicador quantitativo do consumo privado reforçou o movimento descendente dos dois meses anteriores, atingindo o valor mais baixo desde Agosto de 2006, em resultado da desaceleração quer do consumo corrente, quer do duradouro. […] Investimento: os licenciamentos de novos fogos e habitações apresentaram em Maio diminuições significativamente mais intensas que no mês anterior atingindo o valor mínimo desde Fevereiro de 2001 e Setembro de 2003, respectivamente. […] O indicador referente ao material de transporte retomou em Maio o movimento descendente observado desde o início do ano, passando a situar-se abaixo da média da respectiva série. […] as vendas de veículos comerciais pesados têm vindo a desacelerar desde o início do ano, apresentando crescimentos homólogos de 8,8% e 4,6% em Maio e Junho, respectivamente. […] As vendas de veículos comerciais ligeiros reforçaram a trajectória descendente observada desde Julho transacto. Assim, a sua taxa de variação homóloga passou de -20,2% em Maio para -38,1% em Junho, enquanto a sua variação homóloga mensal passou de -21,2% para -59,5% nos mesmos períodos.O indicador de máquinas e equipamentos, disponível até Junho, abrandou significativamente, prolongando o movimento descendente observado desde o final de 2007 e atingindo o valor mais baixo desde Setembro de 2006. […] Mercado de Trabalho: Segundo o IEFP, as ofertas de emprego registadas ao longo do mês nos centros de emprego retomaram a acentuada trajectória descendente observada desde o início do ano, passando de uma variação homóloga de 1,4% em Abril para -3,5% em Maio e atingindo o mínimo dos últimos três anos. O desemprego registado ao longo do mês tem vindo a aumentar significativamente desde Fevereiro, observando-se variações homólogas de 5,3% em Abril e de 7,7% em Maio (máximo desde Junho de 2005). […] Em Junho, a inflação mensal foi de 3,4%, mais 0,6 p.p. que em Maio, prolongando o movimento ascendente anterior e atingindo o valor mais elevado dos últimos dois anos. Destacam-se os contributos positivos para a aceleração do índice total da classe de “produtos alimentares e bebidas não alcoólicas”, com um contributo de 0,4 p.p. 4 […]

 

Está demonstrado que há.

 

2. Terá continuado no 2º trimestre de 2008 (Abril, Maio e Junho) a variação negativa no crescimento do PIB já verificada no 1º trimestre?

 

Não foi ainda possível encontrar dados oficiais sobre a variação do PIB neste 2º trimestre de 2008, mas pode prever-se com uma margem de erro normalmente muito pequena que O Produto Interno Bruto (PIB) de Portugal, no segundo trimestre de 2008, terá crescido 0,8% em termos homólogos contra o crescimento de 0,9% no primeiro trimestre deste ano, segundo o Núcleo de Estudos de Conjuntura da Economia Portuguesa (NECEP) da Universidade Católica, que, na sequência desta sua estimativa, cortou a previsão de crescimento da economia portuguesa em 2008 para 1,2%, contra 1,8% antes, prevendo ainda que o PIB de Portugal cresça 1,5% em 2009.5

 

Se vier a confirmar-se a previsão do crescimento do PIB no 2º trimestre de 2008 em 0,8%, isso significará que houve uma variação negativa de 0,1% relativamente ao 1º trimestre, e uma variação negativa de 0,8% relativamente ao período homólogo de 2007 (1,6%).

Estará, então, tecnicamente confirmada a recessão.

 

Finalmente, a resposta à pergunta colocada em subtítulo deste postal: Mas porque o negam tão desesperadamente Teixeira e Constâncio?

Em primeiro lugar estarão a dizer o que lhes manda Bruxelas, cujo estado de alienação da realidade se aprofunda visivelmente de dia para dia.

Em segundo lugar – e principalmente – não querem de modo nenhum admitir o total falhanço da política económica deste governo PS de Sócrates, que tem explorado sem pejo, com pesados impostos e um sem número de outras obrigações, os pequenos e médios empresários, a classe média que constitui a base produtiva deste país, optando por favorecer os grandes grupos financeiros cuja massa crítica de capital lhes permite obter lucro apenas especulando e sem nada produzir.

 

Incompetência é a inabilidade de alguém de desempenhar adequadamente uma determinada tarefa ou missão.6

 

1Cadilhe: Portugal está em “recessão grave” desde 2002/2003, no Público em 04.03.2008, por Victor Ferreira.

2Afirmação de Cadilhe é “gratuita” e “alarmista”, no Notícias.rtp.pt em 04.03.2008. (vd. tb. Ministro das Finanças rejeita afirmação de Cadilhe sobre recessão grave em Portugal, no Público em 04.03.2008, Lusa)

3Os alarmes soaram mas os economistas ainda evitam a palavra recessão, no Diário Económico em 15.07.2008, por Luís Reis Ribeiro.

4Síntese Económica da Conjuntura – Junho de 2008, relatório mensal do INE (transcrições parciais).

5Católica revê em baixa previsão de crescimento da economia portuguesa, no Diário Económico em 9.07.2008, por Rita Paz.

6Conceito de Incompetência, na Wikipedia.

 

7Constâncio não acredita em recessão em Portugal nem na Europa, no Agência Financeira em 15.07.2008 por Paula Gonçalves Martins.